Trutas em risco de extinção na região

Alerta foi deixado num seminário sobre proteção e educação ambiental promovido pela GNR no IPB. As trutas dos rios do Nordeste Transmontano podem vir a enfrentar o risco de extinção. O alerta foi deixado pelo investigador Fernando Miranda, do IPB, durante o seminário “O papel da GNR na Proteção do Ambiente”. Fernando Miranda explicava as alterações à lei da pesca, que aumentou o custo das licenças, por exemplo, com a necessidade de maior proteção deste recurso. “Tem a ver com a necessidade de alterar coisas que estavam menos bem e isso é a falta de recursos existente, comparativamente com anos anteriores. O homem tem muita culpa no que está a acontecer na pesca à truta. É uma espécie emblemática da nossa região que deveria ser explorada de forma diferente. Sem dúvida que há algum exagero na forma como esse produto é retirado dos ecossistemas fluviais”, explicou, alertando para a necessidade “urgente de tomar medidas”. “Pelos estudos que efetuamos, percebemos a diminuição de populações e a falta de indivíduos com mais de um ano nas populações das trutas. É uma situação preocupante. Não havendo reprodução, é uma questão de tempo até a espécie desaparecer”, sublinhou. Fernando Miranda entende que é necessário haver “mais fiscalização”, o que não é fácil “tendo em conta a dimensão do território”. O investigador foi um dos oradores convidados de um seminário que incluiu ainda com Francisco Teixeira da Agência Portuguesa do Ambiente, do Major Paulo Delgado, do Serviço de Proteção da Natureza da GNR, de Ana Carvalho, Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (ZASNET), de Julieta Costa da Sociedade Portuguesa de Estudo das Aves (SPEA) – que denunciou situações de uso ilegal de venenos no meio ambiente -, de Amílcar Teixeira e de Conceição Martins, do IPB. O Comandante Alves Ribeiro, da GNR de Bragança, explicou que “o objetivo era aproveitar o saber e o conhecimento do IPB para criar uma estrutura mais saudável, mais próxima das pessoas e que traga mais qualidade de vida a este lugar”. Por isso, faz “um balanço extremamente positivo”, pois ficou “agradavelmente surpreendido com o número de participantes, com a excelência das intervenções do painel. É mais uma proximidade entre a GNR e o IPB, que é uma referência universitária”.

Publicado por: “Mensageiro de Bragança”