Se as artes não vão à montanha, vai a montanha às artes


O Laboratório de Artes na Montanha vai estudar as artes visuais no contexto de montanha, a partir da obra da pintora Graça Morais, que disponibilizou todas as suas criações para serem documentadas.
Trata-se de uma iniciativa do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), através do Centro de Investigação de Montanha (CIMO), em parceria com o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais (CACGM), através da sua tutela, a Câmara Municipal de Bragança (CMB) e o Instituto de História da Arte da NOVA FCSH, com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).
O objetivo é articular a investigação científica, a formação académica e a criação e divulgação artísticas numa rede transfronteiriça, a partir das zonas rurais de Bragança.

Publicado por: “TSF Rádio Notícias”

Ministro defende maior coesão territorial ao nível do ensino superior

O ministro do Ensino Superior defendeu que Portugal precisa de fazer um maior esforço no que respeita à coesão territorial ao nível do ensino superior e deu o Instituto Politécnico de Bragança (IPB) como um bom exemplo.
“Decidi vir simbolicamente a Bragança, já que o IPB fez um esforço de atrair alunos estrangeiros, que hoje aqui vivem com as suas famílias e constroem a suas vidas, num ambiente estimulante para as artes, cultura e o conhecimento”, vincou Manuel Heitor.
O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, falava à margem da inauguração da exposição da pintora transmontana, Garça Morais ” Cabo Verde – O espírito do Lugar”, patente no Centro de Arte contemporânea de Bragança, até 17 de junho, do qual a artista plástica é patrona.
Para o governante há bons casos que mostram que a divisão entre o litoral e o interior é “fictícia” e que se pode experimentar a arte em regiões tão longe dos grandes centros
“Certamente Lisboa e o Porto têm características únicas de atrair alunos internacionais, mas Portugal precisa de um esforço de coesão territorial e que passe pela valorização de zonas como Bragança”, frisou.
O Governo enviou para publicação um despacho de fixação de vagas no ensino superior público para o próximo ano letivo, no qual o Governo propõe a redução de vagas nas instituições de ensino superior de Lisboa e Porto em 5% do total face aos três anos letivos anteriores.
Esta situação não é do agrado de todos, contudo, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, avança que “numa sociedade democrática o confronto de ideias é bom”.
“Agora, nesta matéria, o não fazer nada é a pior coisa que pode haver. Temos que experimentar novas ideias e as medidas que temos tomado resultaram de um diálogo muito grande e forte depois de quase um ano a debater sobre o futuro do ensino superior em Portugal e sempre em diálogo com estudantes, com as instituições e com os dirigentes “, observou o ministro.
Para a tutela, a concentração de estudantes em Lisboa ou no Porto não boa para o país e não é boa para “Portugal no mundo”.
Manuel Heitor lembrou ainda que há programas do Governo para requalificação de imóveis antigos para alugar a alunos a preços “em conta”.
“Bragança é também um bom exemplo nesta matéria de requalificação imóveis antigos na zona histórica, que resulta de uma parceria que está a ser efetuada por proprietários a autarquia”, enfatizou.
O IPB tem, mais de sete mil alunos, dos quais mais de mil são estrangeiros.

Publicado por: “Diário de Trás-os-Montes”

Mais informações em: “Mensageiro de Bragança”

Novo projecto do IPB conjuga arte e investigação

O Laboratório de Artes na Montanha Graça Morais é um projecto do IPB e do Centro de Investigação de Montanha, idealizado em parceria com o Centro de Arte Contemporânea ao qual a artista empresta nome. A novidade foi avançada hoje pelo Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, que considera que o projecto “é um diálogo que leva a novos saberes” e “é isso que se pretende trazendo a experiência dos investigadores do CIMO, hoje reconhecidos a nível mundial, com a expressão plástica que a Graça levou também ao Mundo”.
Para Sobrinho Teixeira, presidente do IPB, “este será um espaço para que os alunos tenham liberdade para criar, num espaço vivo de aprendizagem”.
Referindo-se à mudança no paradigma da investigação de montanha, Isabel Ferreira, a coordenadora do Centro de Investigação de Montanha, disse que “este projecto acaba por ser uma inspiração”.
Neste dia internacional dos museus, Graça Morais fez uma visita guiada à sua exposição sobre Cabo Verde.
O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior esteve hoje em Bragança a propósito dos dias internacional do museus e também do fascínio das plantas.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Visita guiada à exposição “Cabo Verde, o espírito de um lugar” pela pintora Graça Morais aos alunos do IPB

Ontem teve lugar no Centro de Arte Contemporânea, em Bragança, uma visita guiada à exposição da pintora Graça Morais, para os alunos do Instituto Politécnico de Bragança.
A exposição “Cabo Verde, o espírito de um lugar” contou com a presença da pintora que manifestou um sentimento de alegria: “é uma sensação muito forte e de grande alegria e reconhecimento. Fico muito contente por estes jovens do IPB, sobretudo os cabo-verdianos, saberem que houve uma portuguesa artista que olhou para o país deles com uma grande dignidade e que deixou para a história um documento que, na altura, eu não tinha a percepção da importância desta obra que é importante para mim e para o país” referiu a pintora.
Uma das alunas que visitou a exposição é Melany de Brito Martins, de Cabo Verde. A estudante de Arte e Design, no IPB, confessou a saudade da sua terra: “fico muito feliz por ter uma pessoa a representar o meu país. Fico com a saudade do meu país e fico muito feliz por existir alguém que valoriza a minha terra” destacou a aluna.
Windy Fonseca Andrade do mesmo curso, da ilha de Santo Antão, de Cabo Verde, salientou o facto da arte do seu país ser evidenciada nesta mostra: “desde o primeiro momento que eu vi o cartaz da exposição e que era sobre Cabo Verde. Quem diria que eu iria estar em Bragança e que acolhia uma exposição do meu país? São muitos os alunos cabo-verdianos a estudar no IPB e é uma forma de demonstrar a cultura no nosso país”, evidenciou a aluna de Arte e Design.
A mostra reúne trabalhos e objectos pessoais da artista, 30 anos depois de ter passado pelo arquipélago. Cada quadro é um reviver dos tempos vividos e das suas experiências nas ilhas de Cabo Verde, na sua residência artística. Uma exposição patente até ao próximo dia 17 de Junho, e a 30 de Junho, o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais vai comemorar 10 anos.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios no distrito

“Um dia que significa o aproximar dos cidadãos ao património e à sua valorização”
Dia 18 de Abril é o dia In­ternacional dos Monumen­tos e Sítios e de forma a co­memorar este dia, o Museu Abade Baçal, em Bragança, promoveu um conjunto de iniciativas de forma gratui­ta. O assinalar deste dia teve a inauguração de uma insta­lação artística dos alunos de arte e design do Instituto Po­litécnico de Bragança, com o tema floresta e as questões ambientais. De seguida teve lugar uma performance mu­sical e visitas guiadas à expo­sição «Memórias do Salto» e «Douro, lugar de um encon­tro feliz».
A directora do Museu, Ana Maria Afonso salien­tou que “são mais que moti­vos para visitar o museu”, pa­ra aproximar os cidadãos ao património.
Para a directora a existên­cia deste dia “significa o apro­ximar dos cidadãos ao patri­mónio, à sua valorização, à sua preservação no sentido de uma cidadania activa na salvaguarda dos valores pa­trimoniais, em prole de pas­sar de geração em geração, esta questão do património e da sua preservação e sobretu­do da sua vivência”, explicou Ana Maria Afonso.
No sábado, em Picote, Mi­randa do Douro foi visitada a Barragem, seguida da visua­lização de um documentário.
Também em Mirandela este dia foi comemorado, no domingo passado, com uma caminhada a Vale de Telhas, no dia que se assinalou o Dia Mundial da Terra . Para co­memorar este dia, em Car­razeda vão ter lugar as Ofici­nas de Conhecimento em Pa­trimónio Cultural, no dia 24 de Abril. No dia 28 de Abril, em Pinela, concelho de Bra­gança, vai acontecer uma ca­minhada, às 9h00, ao cas­telo de Alfenim, seguido de um workshop de construção de cantarinhas. Também no mesmo dia, em Mogadou­ro, vai decorrer um concer­to, do grupo HAI-LUZ. Nou­tro ponto do distrito, no dia 29, em Alfândega da Fé vai se realizar a visita ao Castro da Marruça.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

IMPLICARTE com “um maior sentido de contaminação da cidade”

Exposições, conferências, workshops, aulas abertas, concertos, dramatizações e performances por parte dos alunos dos cursos de formação artística da ESEB irão ter lugar em vários locais da cidade de Bragança até ao dia 10 de maio.
Decorreu na passada semana no Centro Cultural Municipal Adriano Moreira a inauguração da exposição IMPLICARTE – Mostra de arte visuais, dramáticas e músicas.
Organizado pelo Departamentos de Artes Visuais, de Expressão Dramática e Educação Musical da Escola Superior de Bragança (ESEB), o IMPLICARTE, já na sua sexta edição, pretende dar a conhecer os trabalhos dos alunos dos cursos artísticos da ESEB, do Instituto Politécnico de Bragança.
O evento começou no dia 10 de abril e estende-se até ao dia 10 de maio, incluindo na sua programação um leque de atividades tão variados como exposições, conferências, workshops, aulas abertas, concertos, dramatizações e performances que irão ocorrer em vários locais da capital nordestina como o Auditório do Conservatório de Música e Dança de Bragança, o Bar Praça 16, o – Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, o Centro Cultural Adriano Moreira, a Escola Superior de Educação de Bragança, o Foyer do Teatro Municipal de Bragança, a Igreja da Misericórdia e o Museu Abade de Baçal.
O IMPLICARTE propõe a apresentação do trabalho de 3 áreas fundamentais do ensino artístico: as artes visuais, o drama e a música. Distingue o trabalho realizado nos cursos de formação artística em funcionamento na Escola Superior de Educação de Bragança, mostrando percursos, matérias e linguagens que ao longo do processo de formação vão sendo questionados e experimentados.
Presente na inauguração, esteve a vereadora da Cultura e da Educação da Câmara Municipal de Bragança, entidade que, em conjunto com o Instituto Politécnico de Bragança, tem vindo a apoiar, desde o início, esta iniciativa. “A autarquia tem vindo sucessivamente a apoiar estas edições porque, realmente, aquilo que nos importa é demonstrar que o trabalho em rede é possível, demonstrar à comunidade este trabalho efetivo que nós vamos realizando de parceria e a IMPLICARTE é a prova de que esse trabalho é possível”, explicou Fernanda Silva, em representação do executivo brigantino.

Consulte a programação do evento em: www.implicarte.tk

Já a coordenadora do Departamento de Artes Visuais e membro da Comissão Organizadora do IMPLICARTE, revelou que o maior desafio “é colocarmos todos os parceiros a trabalharem para o mesmo sentido e, no fundo, responderem com a mesma paixão que a Comissão Organizadora tem”. De acordo com Jacinta Costa, “o IMPLICARTE implica esta mesma reunião em torno das artes, de um conjunto de professores, alunos, espaços culturais e privados de Bragança, que se implicam uns aos outros e que vão dinamizando a própria cidade, no sentido de exportarmos os nossos cursos de formação artística”.
Questionada sobre como evoluiu o IMPLICARTE e de que forma esse crescimento é visível, a responsável aponta que, nesta sexta edição, é possível constatar um “maior sentido de contaminação da cidade”, até porque este evento sai como nunca antes da própria ESEB para o exterior, referindo-se a espaços culturais, noturnos e privados que recebem de portas abertas a Mostra de Artes Visuais, Dramáticas e Musicais.
A Comunicação Social esteve, ainda, à conversa com alguns dos alunos que participam no IMPLCARTE com o intuito de perceber as suas vivências e o que retiram de toda esta experiência. “Estou aqui em representação dos alunos do curso de Arte e Design para apresentar o projeto IMPLICARTE, o que ele realmente implica e o que é que nós fazemos de tão importante no nosso instituto”, esclarece Simão Neto, aluno do terceiro ano do curso de Arte e Design.
Para o estudante do IPB, esta mostra artística é tão importante pois permite a si e aos seus colegas apresentarem os trabalhos que desenvolvem durante todo o ano à comunidade e aos seus pares, recebendo, assim, um input preciso sobre tudo o que fizeram, o que lhes vai permitir, de certa forma, crescer, corrigir e evoluir, não só como estudantes, mas também como pessoas e, sobretudo, enquanto artistas. “Isto é quase como uma rampa de lançamento para o nosso mundo profissional e esta parte de podermos mostrar à sociedade o que é que nós fazemos ao longo do ano é o mais importante para realmente demonstrar o trabalho que há aqui, o afinco, os projetos e a essência daquilo que nós somos”, concluiu Simão Neto, finalista do curso de Arte e Design.

Publicado por: “Diário de Trás-os-Montes”

Docentes do IPB esperam a criação de uma Escola Superior de Artes em Bragança

Docentes dos departamentos ligados a áreas artísticas no Instituto Politécnico de Bragança recordaram o anseio de criação de uma Escola Superior de Artes em Bragança.
João Gomes, responsável do departamento de expressão dramática na Escola Superior de Educação, considera que há uma expectativa natural de maior autonomia destas áreas científicas.
“É uma expectativa natural de um conjunto de departamentos que se foram cimentando ao longo dos anos que têm um trabalho produzido ao nível da formação e de uma série de intervenções que foram feitas de relação com as instituições e que foram cimentando a nossa acção. Foi valorizada em termos da qualificação do pessoal docente e a expectativa natural deste domínio científico é que mais tarde ou mais cedo poderá vir ganhar autonomia”, refutou João Gomes.
Para a coordenadora do departamento de Artes Visuais da Escola Superior de Educação de Bragança, Jacinta Costa, o crescimento da procura dos cursos por parte dos alunos também justificaria esta opção:
“Se alguém perguntar qual seria o meu sonho, presentemente o meu sonho é ter uma escola de arte, design, multimédia no centro da cidade que consiga ser um motor e que impulsione de alguma maneira este desenvolvimento territorial. Os cursos estão a crescer e cada vez mais temos alunos a vir ter connosco para tirar esta formação superior “ confessou Jacinta Costa.
O tema já não é novo, mas volta a ser levantado por parte dos docentes dos departamentos de artes do IPB, que sonham com uma escola de artes e uma maior autonomia deste ramo de ensino no Politécnico.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Mostra de Arte IMPLICARTE teve início ontem

Arrancou ontem a sexta edição do IMPLICARTE. A mostra de Artes Visuais, dramáticas e musicais da Escola Superior de Educação de Bragança decorre ao longo de um mês com um vasto leque de actividades em vários espaços culturais e privados da cidade de Bragança.
O pontapé de partida foi dado ontem à tarde no Centro Cultural Adriano Moreira com uma exposição de trabalhos dos alunos, desde o design à pintura, desenho, escultura e fotografia. Para a coordenadora do departamento de artes visuais da ESE, Jacinta Costa e que integra a comissão organizadora da iniciativa o objectivo é colocar todos os parceiros a trabalhar no mesmo sentido: que é levar a arte do IPB à cidade.
“O IMPLICARTE implica esta mesma reunião em volta das artes, envolvendo espaços culturais de Bragança, no sentido de mostrar à cidade os cursos de formação artísticos da ESE, com diversas exposições e workshops, nas três áreas, isto é, nas artes visuais, expressão dramática e na música”, contou Jacinta Costa.
Jacinta Costa considera que desde que o IMPLICARTE se iniciou há 10 anos o panorama cultural da cidade de Bragança está bastante diferente: “Tudo isto revela um concertar de esforços de entidades públicas e privadas com o objectivo de dinamizar um conjunto de actividades artísticas na cidade de Bragança” referiu Jacinta Costa.
Para os alunos que participam com trabalhos na mostra e também na própria organização esta é uma boa iniciativa para entrar em contacto com o público:
“Isto é a fase inicial e é uma ponte para o nosso mundo profissional”, contou um dos alunos à Brigantia.
O IMPLICARTE envolve mais de 200 alunos que participaram na elaboração de actividades que até 10 de Maio se vão desenvolver por toda a cidade, desde espaços culturais, bares, instituições de ensino, igrejas e museus.

Publicado por: “Brigantia”