Frutos secos estiveram em análise na conferência final do Portugal Nuts

O centro nacional de competências dos frutos secos vai lançar um manual do Investidor para auxiliar agricultores a apostarem na cultura dos frutos secos.
Em Bragança, no passa­do dia 22 de Março, teve lu­gar a sessão final do “Portu­gal Nuts”, promovido pelo CNCFS – Centro Nacional de Competências dos Frutos Se­cos, com a apresentação dos resultados de uma candida­tura de dois anos. A confe­rência final, acolhida no Bri­gantia EcoPark, contou com apresentação de 18 estudos técnicos sobre as culturas da castanha, da amêndoa, avelã, alfarroba, nogueira e do pis­tácio. O evento contou com oradores especializados que abordaram e caracterizaram o estado da transformação e comercialização, assim como estado da produção de cada um destes frutos secos. Nes­te momento, a estratégia do CNCFS passa pela análise co­mo se pode potenciar o con­sumo dos frutos secos, o es­tudo do mercado internacio­nal e averiguação de quais são os melhores e piores mer­cados para as empresas apos­tarem, assim como o levanta­mento de casos de sucesso a nível empresarial. No âmbito deste projecto, “foram desen­volvidas 10 acções, desde o Minho até Vila Nova de Foz Côa”, referiu António Albi­no Bento, presidente do CN­CFS, investigador na área da castanha e professor no Insti­tuto Politécnico de Bragança. Adiantou que “vamos conti­nuar no terreno e a acompa­nhar os agricultores, até por­que temos mais projectos em andamento e actividade para os próximos três anos”. Uma das últimas acções do Portu­gal Nuts vai ser a publicação do Manual do Investidor que vai ajudar os novos agriculto­res, ou para os que já se en­contram a operacionalizar no terreno. O presidente do cen­tro caracterizou este manual como simples e que vai ser disponibilizado no site, para todos os possíveis investido­res possuírem linhas matri­zes em como apostar no sec­tor agrícola. Dos projectos que vão desenvolver um vai ser direccionado contra as pragas, nomeadamente a da vespa da galha do castanhei­ro, pragas da amendoeira e da nogueira. Outro dos projec­tos vai incidir sobre a fertili­dade do solo e o uso susten­tável de água e outro preten­de analisar a questão da in­dustrialização dos produtos.

Publicado por: “Jornal Nordeste”