Investigador de botânica do IPB no deserto do Namibe

Carlos Aguiar, investigador de Botânica vai participar numa expedição internacional ao no deserto de Moçâmedes que vai durar três semanas e onde vai ver pela primeira vez a welwitschia mirabilis.
Carlos Aguiar, professor e investigador de Botânica, no Instituto Politécnico de Bragança, vai lançar o Manual de Botânica, o Vol.I no dia 26 de Março, na Universidade José Eduardo dos Santos, no Huambo, em Angola. O lançamento do livro vai ter lugar num congresso internacional que vai preceder uma expedição com colegas franceses, alemães e angolanos. Na expedição vai ver pela primeira vez a planta mais resistente do mundo, a welwitschia mirabilis.
“Estou em pulgas para conhecer essa planta, que é a welwitschia mirabilis, que é um planta estranha. É uma planta bastante grande mas só tem duas folhas que crescem toda a vida e é muito raro. As folhas vão crescendo, alongando e fazem uma espécie de disco central. Na margem desse disco que é assim lenhoso, é onde estão os cones com as estruturas reprodutivas, masculinas e femininas”, contou o botânico.
Carlos Aguiar foi consultor da União Europeia e Assessor Regional da Flora Ibérica e pretende deixar o testemunho do trabalho de 30 anos como estudioso e actualizar a informação relativa a esta ciência tão antiga.
“Resolvi escrevê-lo porque considerei que era necessário actualizar esta disciplina e valoriza-la no âmbito dos currículos universitários. Posso dizer que é um testemunho de alguém que já vai com cerca de cinquenta anos e que quer deixar o seu próprio testemunho da ciência que trabalhou durante muitos anos. Já o ando a escrever, à cerca, de cinco ou seis anos, estando agora finalizado o primeiro volume” disse Carlos Aguiar.
O subtema do livro é Estrutura e a Reprodução. O Vol.II terá especial enfoque na Evolução das Plantas Terrestres e o III na Taxonomia de Plantas com semente, que o autor pretende terminar no próximo ano. Três obras com edição do IPB.
Carlos Aguiar é licenciado e doutorado em Engenharia Agronómica pelo Instituto Superior de Agronomia. É professor do IPB há 30 anos e faz parte do Centro de Investigação de Montanha desde 2003.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Mais informações em: “Jornal Nordeste”