ULS reforça cuidados paliativos ao domicílio


A Unidade Local de Saúde do Nordeste vai reforçar, até ao verão, as unidades que providenciam cuidados paliativos ao domicílio. A garantia foi deixada pelo presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Nordeste, Carlos Vaz, à margem das segundas jornadas de investigação da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos que decorreu sexta-feira e sábado no Instituto Politécnico de Bragança.
“Até junho ou julho queremos implementar em todos os conselhos da zona sul as equipas preparadas para fazer as visitas domiciliárias com acompanhamento do departamento dos Paliativos da ULS”, disse Carlos Vaz. “Isso é que é fundamental. Que as equipas multidisciplinares se desloquem ao local, ao domicílio, para fazer os acompanhamentos a esses doentes, isso para nós é que é fundamental”, sublinhou.
Segundo explicou Carlos Vaz, “cada concelho terá a sua equipa, integrada quer com a equipa do centro de saúde, quer eventualmente com outras instituições que colaboram connosco, nomeadamente Misericórdias ou outras associações, de modo a fazermos equipas multidisciplinares permanentes”, disse.
Em Macedo de Cavaleiros, o número de camas vai ser reduzido (de 17 para dez) para haver uma maior aposta nas unidades de apoio ao domicílio. Por outro lado, aumentará o número de camas dos cuidados continuados. Também o IPB vai reforçar a aposta nos Paliativos com novas ofertas pedagógicas.
“Os cuidados paliativos são uma vertente dos cuidados continuados e, porque sentimos também essa necessidade, qualificar ativos por solicitação de cuidados de saúde, vamos abrir ainda este mês uma pós-graduação em cuidados paliativos”, anunciou a diretora da escola de saúde, Helena Pimentel. A pós-graduação arranca já amanhã “para dar resposta a esta formação mais específica a profissionais que trabalham nessa área.”
Para Manuel Luís Capelas, presidente da Associação que organizou estas jornadas, o objetivo foi apresentar “estratégias para melhor cuidado dos doentes, na prevenção do sofrimento, onde quer que estes doentes estejam nestes serviços” e “disseminar pelo país inteiro” este tipo de conhecimento.

Publicado em: Mensageiro