Associação Académica do IPB já tomou posse

Já tomaram posse, on­tem, os 29 eleitos que com­punham a única lista a votação para a Associa­ção Académica do Insti­tuto Politécnico de Bra­gança. Pelo segundo ano consecutivo, Ricardo Cor­deiro assume a presidên­cia da AAIPB e refere que neste ano o grande objec­tivo é “manter a proximi­dade com os alunos”, as­sim como a “proximidade com o instituto”. O jovem de 29 anos, do curso de En­genharia Agronómica, diz que a associação tem tam­bém este ano como mis­são a acção social e as bol­sas pois “os alunos quan­do chegam vêm sem bolsa atribuída e alguns não têm dinheiro para se manter já que muitos apenas a come­çam a receber em Dezem­bro/Janeiro”. Implementar o Cartão Jovem é outra das apostas uma vez que este “tem be­nefícios municipais, nacio­nais e europeus” e, segundo o presidente, para se criar o cartão há já “um contac­to directo com a empresa”. Ricardo Cordeiro fala ain­da da relação com Miran­dela dizendo que se “refor­çaram os laços”. quanto a contas, o presidente afirma que se fechou o ano “com muito dinheiro” e que “o orçamento rondou os 400 mil euros”.

Publicado em: “Jornal Nordeste”

D. José pediu aos finalistas do IPB que vivam ao ‘ritmo do coração’

O Bispo da Diocese de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, recomendou aos alunos do Instituto Politécnico, que vivam ao ritmo do coração. Falando especialmente para os estudantes que participaram na Bênção de Finalistas, no passado sábado, o prelado sugeriu: “Viver a partir do coração e de um coração que escuta”. Citando o ator italiano E. de Luca: «na capital do corpo humano não é o cérebro, mas o coração, porque de noite o cérebro desliga faz os sonhos que quer, enquanto o coração continua lentamente a bater»”, destaco. A catedral encheu-se de estudantes, de representantes dos órgãos diretivos do IPB e do município, bem como de amigos e familiares dos que chegam ao final de um percurso académico, nem sempre fácil. Foi um dia de festa e de alegria. Por isso, D. José falou diretamente para os alunos. “Caros jovens, viver ao ritmo do coração é escutar o clamor de quem está ferido, mas olhá-lo olhos nos olhos, coração a coração, faz toda a diferença para com os mais velhos, os doentes, os prisioneiros, os migrantes, revelando a inviolável dignidade da outra pessoa humana numa relação recíproca”, frisou, destacando que “uma pessoa vale o que vale o seu coração” e que S. João Bosco educou a uma vida boa do Evangelho para que
todos sejam “bons cristãos e honestos cidadãos”. O prelado explicou que “a alegria da verdade leva-nos a não nos conformarmos com a realidade que nos circunda e a dar um contributo positivo à sociedade”. D. José disse que sendo missão de toda a Igreja, a Pastoral do Ensino Superior, concretamente a Capelania do Instituto Politécnico de Bragança, é especialmente compromisso e empenho dos Leigos a quem se pede «que estejam presentes, em nome da coragem e da criatividade intelectual». A cerimónia da Bênção de Finalistas terminou com uma homenagem dos estudantes ao professor Sobrinho Teixeira que deixa este ano a presidência do IPB. Em conjunto cantou-se o hino da academia “Amigos para sempre…”.

Publicado por: “Mensageiro de Bragança”

Arranca hoje a Semana Académica da ESACT de Mirandela

Começa, esta quarta-feira e prolonga-se até à próxima segunda-feira, a semana académica da Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo de Mirandela.
Com um orçamento a rondar os 35 mil euros, o presidente da Associação de estudantes da ESACT revela que este ano houve “a aposta numa nova imagem, relacionada com o tema da cidade jardim e que a escolha dos espectáculos musicais, agendados para o pavilhão B da Reginorde, incidiu na vertente do Hip-Hop”.
Outra das novidades avançadas por José Eduardo Silva, é o artista da noite principal, que é no sábado, “foi uma escolha dos próprios estudantes da ESACT, através de uma votação online”.
Para além de Piruka, há a destacar os nomes de Fernando Alvim, na quarta-feira, Rosinha, na quinta-feira e Mundo Segundo, na sexta-feira.
Até esta quarta-feira, há uma pré-venda de pulseiras para todos os espectáculos, com preços entre os 25 e os 35 euros. Já o bilhete diário ronda os 10 euros.
O presidente da Associação de Estudantes da ESACT de Mirandela espera uma boa adesão aos espectáculos, principalmente no sábado, onde conta “ultrapassar a barreira dos mil ingressos”.
A abertura da semana académica da ESACT de Mirandela acontece, esta quarta-feira, onde se destaca a actuação de Fernando Alvim e termina na segunda-feira com o desfile académico, à tarde e à noite com um arraial de cerveja, com liquidação de stock, onde os preços são bem mais convidativos.
Escrito por Rádio Terra Quente (CIR)

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Natal fraterno para alunos estrangeiros

Um momento de partilha da Fé sem fronteiras. Pelo sexto ano consecutivo, o bispo de Bragança-Miranda reuniu à mesma mesa estudantes estrangeiros do Instituto Politécnico de Bragança na noite de consoada. Nos últimos anos, a iniciativa vem sendo coordenada pela capelania do IPB e a participação tem aumentado cada vez mais. “Começou com 20 estudantes, passou para 70, 90, cem. Este ano são 140, de 14 países. A maioria são brasileiros. Da Europa só temos a Ucrânia representada. Temos de Árica, Ásia e 20 timorenses, da Oceania. Por isso, estão os cinco continentes”, resumiu o Pe. Calado Rodrigues, capelão da instituição, que destaca a importância deste convívio. “A ideia é mostrarmos que Bragança sabe acolher muito bem. Todos eles valorizam esta iniciativa como algo que ameniza a falta da família. Também temos muçulmanos, budistas, de outros credos religiosos, que aproveitam para conhecer esta tradição muito nossa. Entretanto, foram-se juntando pessoas que passavam esta noite sozinhas e algumas crianças do lar de S. Francisco e algumas comunidades religiosas mais pequenas”, explicou. Da parte do próprio politécnico também há a noção da importância que este convívio tem ganho, até por ser uma data especial para a vivência da Fé. “É uma excelente iniciativa. Somos uma comunidade integradora, tolerante, que sabe receber e conhece os valores da amizade e da tolerância. Temos estudantes do mundo inteiro. Temos uma comunidade que ultrapassa as mil pessoas e estas iniciativas de partilha e convívio são fundamentais”, frisou o vice-presidente, Orlando Rodrigues. O encontro decorreu no Mercado Municipal, espaço com capacidade para albergar todos os participantes. A moldura humana acabou por impressionar o próprio prelado transmontano. “Recordava um presidente da Câmara de Florença, cujo processo de canonização está em curso, Giorgio La Pira, que dizia que os jovens são como as andorinhas, são eles que nos orientam o tempo e a estação. Vão sempre à busca da primavera em flor e os jovens também nos remetem para isso. Em ritmo intergeracional, abrindo para todos os que passariam esta noite sós, nesta relação intergeracional temos todos a aprender muito uns com os outros, mas sobretudo com os jovens, pois são eles que nos indicam o tempo e a estação para caminharmos para a vida, para a paz, para o verdadeiro e autêntico sentido de existência”, sublinhou D. José Cordeiro. O bispo transmontano considera que estes jovens estudantes estrangeiros são “um grande testemunho” de Fé e “uma grande interpelação”. “Já está a acontecer. A Fé está onde há um coração aberto que o acolhe. Há muitos testemunhos. Até a própria presença dos estudantes internacionais na eucaristia de domingo, às 18h00, na catedral, e de uma maneira especial hoje, na missa da noite, é uma interpelação muito forte, que nos desafia a todos para a arte da hospitalidade e para nos dizer a todos que a fé não tem fronteiras e que vivemos num mundo que é chamado a ser salvo. O nascimento vem-nos dar essa esperança concreta e real. Sentimo-nos ainda mais irmãos pois experimentamos todos a mesma realidade. E a Fé, vivida de forma diferente, transmite a mesma realidade”, concluiu D. José Cordeiro, ao Mensageiro.

Publicado por: “Mensageiro de Bragança”

Politécnico de Bragança quer ser exemplo na utilização de bicicletas

O IPBike quer pôr a comunidade académica de Bragança e Mirandela a andar de bicicleta… elétrica. O projeto faz parte do programa nacional U-Bike Portugal, do Instituto da Mobilidade e dos Transportes.

O Politécnico de Bragança é a primeira instituição do ensino superior, de um total de 15, a apresentar o projeto. Para alunos, professores e funcionários vão estar disponíveis a partir do dia 1 de janeiro, 100 bicicletas.
Leonardo Brito chegou este ano ao IPB vindo de Cabo Verde para “tirar” engenharia mecânica. Já experimentou uma das bicicletas. “É muito bom, é uma boa experiência. Vou experimentar e ver se fico com uma”.
O uso das bicicletas é gratuito, mas os utilizadores pagam mensalmente os custos do seguro e manutenção que deverá rondar os 20 euros. Pagam também, no ato do aluguer, 80 euros de caução que lhes é entregue quando terminar o período de aluguer, que pode ir até um ano.
Boku Silva é da Guiné Bissau e estuda contabilidade. Diz que pode ser uma boa solução para quem mora longe do IPB mas a mensalidade, acrescenta, podia ser mais baixa. “Gostei imenso de experimentar. É uma bicicleta atrativa, diferente das outras. Pode ser boa para quem mora longe embora ache que podia ser mais barata a mensalidade”.
Se os alunos estão interessados, os funcionários também. Victor Gomes é técnico superior da instituição e logo que possa vai fazer o registo. “Vou ficar com um bicicleta, garantidamente que sim”, afirma. No que toca a substituí-la pelo carro, “não podemos ser pragmáticos a esse ponto, não posso dizer que vou andar só de bicicleta e parar o carro. O mês de janeiro em Bragança costuma ser muito frio”.
No IPB de Bragança e Mirandela estão diariamente cerca de 2500 automóveis. A ideia do IPBike é levar a comunidade académica a adotar hábitos de mobilidade mais sustentáveis e deixar o carro de lado. Vicente Leite, coordenador do projeto, em Bragança diz que isso pode ser possível. “Esse é o principal objetivo do projeto. Se fizermos a promoção certa estou confiante que isso vá acontecer”.
O que a curto prazo não irá fazer a professora Anabela Martins. “Para já, não! Não tenho uma relação muito boa com as bicicletas, mas a curto prazo, obviamente que sim. É um excelente projeto em que o IPB dá o exemplo e acredito que vão ser todas utilizadas e que até haverá lista de espera”, salienta.
Isso é o que também diz o presidente do IPB. Sobrinho Teixeira destaca que o frio de Bragança não será impedimento para o uso e faz uma comparação. “Bragança é a cidade mais fria de Portugal. O norte da Europa usa muito as bicicletas durante o tempo frio. Penso que também seria uma forma de mostrarmos ao resto do país como é alegre viver no frio e como é que nós conseguimos, com este clima, ter esta adesão a estes temas ambientais”.
A nível nacional o projeto vai envolver quinze instituições do ensino superior. Onde serão colocadas mais de três mil bicicletas. 2000 elétricas e 1000 normais. Eduardo feio do IMT- Instituto de Mobilidade e dos Transportes diz que este é o caminho. “A bicicleta é um meio de mobilidade ótimo para o meio urbano e não só. É uma boa ajuda para reduzir a nossa pegada ecológica”.
As 100 bicicletas que agora chegam ao IPB são alugadas através duma plataforma própria. Um dos requisitos obrigatórios é o de quem a alugar tem que ter em seu nome um carro.

Publicado por: “TSF Rádio Notícias”

Estudantes cabo-verdianos apelam a intervenção política na Líbia

No âmbito do XXII Encontro de Estudantes Caboverdianos realizou-se uma marcha de “apelo à intervenção política sobre a situação da Líbia”.
Sensibilizados com o problema que se vive naquele país, os estudantes marcharam em solidariedade, empunhando cartazes com palavras de ordem que pediam o fim da escravatura. Edmar Chantre, um dos estudantes dinamizadores da iniciativa, explica que esta iniciativa pretende “demonstrar a insatisfação para com a situação e surgiu de uma parceria com a escola do IPB que fica em Mirandela.” Sobrinho Teixeira, o presidente do politécnico, juntou-se aos estudantes na marcha para manifestar o apoio à iniciativa e à causa. “O presidente deve estar sempre ao lado dos alunos mas também acho que a situação que se vive na Líbia envergonha o mundo. A escravatura foi uma das situações que mais nos envergonha ainda hoje, pela exploração do ser humano, a desigualdade estar a acontecer novamente no séc. XXI, penso que a sociedade civil tem o dever de se manifestar contra isto, independentemente do país em que isto aconteça”, explicou Sobrinho Teixeira.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Mais informações em: “Mensageiro de Bragança”

Ministro da Cultura de Cabo Verde participou em encontro de estudantes do seu país

No fim-de-semana pro­longado Bragança acolheu um encontro de jovens cabo-verdianos que estudam em estabelecimentos do ensino superior em Portugal. Mais de mil estudantes participaram neste 22º en­contro, que contou com a presença do Ministro da Cul­tura e Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente e com o assessor da embaixa­da em Lisboa, João Silva. Um sarau cultural en­cheu o Teatro Municipal e durante os três dias realiza­ram-se atividades despor­tivas e de convívio, pales­tras e um workshop de Fu­naná, uma dança típica da­quele país, que está a fazer sucesso pelo mundo inteiro e, em Bragança, atraiu alu­nos de outras paragens que também estudam no Institu­to Politécnico.
A comunidade de estu­dantes cabo-verdianos já atin­ge cerca de 600 pessoas e, por isso, um dos projetos em análise foi a localização da sede da Associação de Es­tudantes Cabo-Verdianos em Portugal poder vir a locali­zar-se na capital do distri­to. Sandra Ngokwey, atual presidente da associação lo­cal de estudantes africanos, uma cabo-verdiana que tam­bém tem origens no Congo, está convencida que essa ex­pectativa se virá a concreti­zar, contando com o apoio dos responsáveis do IPB e do município brigantino.
Sobre dificuldades que têm sido divulgadas no que respeita ao alojamento de estudantes na cidade, San­dra Ngokwey considera que tais dificuldades só existi­ram enquanto os alunos estrangeiros procuraram alo­jamento preferencialmen­te nas proximidades das es­colas, já que ao alargarem a procura a outras zonas da ci­dade o problema ficou muito atenuado.
Adiantou ainda que o mu­nicípio de Bragança já mos­trou disponibilidade para es­tudar novas frequências e li­nhas para os transportes ur­banos, de modo a facilitar a mobilidade da população es­tudantil que procura Bragan­ça todos os anos.
Quanto às perspetivas de o IPB continuar a atrair mais jovens de Cabo Verde, garan­tiu que o fluxo tende a au­mentar, até porque em ter­mos financeiros não é tão pe­sado estudar em Bragança como acontece nas grandes cidades.
A associação anuncia ain­da que, em breve, a cidade de Bragança poderá ter a visi­ta do Primeiro Ministro e do Presidente da República de Cabo Verde.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Estudantes estrangeiros escolhem IPB em busca de um futuro melhor

Mirandela atrai estudantes estrangeiros que procuram um futuro melhor e veem no Instituto Politécnico a possibilidade de melhorarem as suas vidas e os seus próprios países. Exemplo disso é o caso de Diego Santos, um dos 335 estudantes caboverdianos que frequentam o Instituto Politécnico de Bragança (IPB). Há três anos partiu de S. Vicente rumo à Terra Quente Transmontana para tirar uma licenciatura em Solicitadoria. “Foi uma decisão tomada em conjunto com os meus pais, mesmo sabendo que a solidão a saudade seriam os maiores obstáculos que teríamos que ultrapassar”, conta.
“O objetivo é tirar um curso para poder ter melhores oportunidades de encontrar um emprego melhor e, por outro lado, ajudar a desenvolver o meu país”, frisou Diego Santos. A escolha de Mirandela deu-se por ser “uma cidade calma e com um baixo custo de vida relativamente a outras, como Porto ou Lisboa”.
Os mesmos motivos são apontados por Hugo Spencer para ter escolhido Mirandela. Natural de S. Vicente, estuda Tecnologias de Comunicação há um ano, depois de já ter frequentado solicitadoria.
“Ao decidirmos estudar em Mirandela estamos cientes de que é uma cidade calma e com bom ambiente académico, razão pela qual podemos sair a passear sem correr o risco de ser assaltado ou agredido”, salientou Hugo Spencer.
No entanto, nem tudo são rosas. Os estudantes caboverdianos, que representam mais de um quinto dos cerca de 1500 alunos estrangeiros no IPB, têm sofrido alguns problemas de adaptação, sobretudo com o frio transmontano e a dificuldade em encontrar casa para arrendar. Uma dificuldade que se agudizou este ano com o aumento do número de alunos que entraram na Escola Superior de Administração, Comunicação e Turismo, de Mirandela (ESACT). “O aluguer de casas torna-se cada vez mais complicado para os que chegam pela primeira vez, visto que a cidade tem cada vez mais estudantes e o número de casa disponíveis é cada vez menor”, disse Diego Santos. Para estes estudantes, a convivência com as pessoas em Mirandela também foi um desafio.
“As pessoas daqui eram um pouco receosas, mas acho que isso acontecia porque ainda não tinha convivido com os mirandelenses. No entanto, com o passar do tempo, tudo mudou. Sinto-me como se estivesse em casa. A amizade é ótima e, por vezes, parece-me familiar”, sublinha Hugo Spencer.
Ultrapassadas as dificuldades iniciais de adaptação, agora só pensam “em terminar o curso e regressar a casa com a licenciatura”.

Publicado por: “Mensageiro de Bragança”

IPB saiu à rua para sensibilizar população acerca das necessidades de alojamento dos estudantes

Numa altura em que o Instituto Politécnico de Bragança recebe cada vez mais alunos, a presidência, a Associação Académica e a Associação de Estudantes Africanos saíram à rua para fazer uma ação de sensibilização às pessoas da cidade de Bragança, alertando-as para as necessidades de alojamento aos estudantes. Passando por cafés, estabelecimentos comerciais e grandes superfícies, Sobrinho Teixeira, o presidente do IPB, explicou que é uma forma de estimular a economia local.
“Esta ação de sensibilização é para que as pessoas olhem também para este número de alunos que existe aqui, que é oportunidade não só para aumentar o retorno direto e económico destes estudantes mas sobretudo para consolidar aqui uma instituição com uma grande capacidade de conhecimento, de intervenção e que no futuro isso vá ter um retorno em termos económicos”, explicou.
“A nossa visão é gerar aqui um dinamismo que não se traduza só no retorno direto económico dos estudantes mas também dinamismo que seja capaz de consolidar uma instituição que gera conhecimento, capacidade de inovação e isso num futuro a médio e a longo prazo vai ter um grande retorno. Quando falamos de disponibilização de alojamento não é só algo que é importante para os proprietários e senhorios de uma forma da inversão económica que isso possa representar, mas é algo que é um bem estratégico para o futuro como consolidação desta instituição”, frisou Sobrinho Teixeira.
Foi mesmo criada no IPB uma empresa que se responsabiliza pelos contratos de aluguer com os proprietários, assegurando os pagamentos e as condições dos imóveis.
Ao longo da tarde de segunda-feira, o grupo entregou panfletos à população. “Aqui nos panfletos pode-se ver que a empresa, a Riskivector, que faz o subaluguer das propriedades, assegura que o imóvel fique conforme está e assegura o pagamento. Não tem responsabilidade nenhuma e só alugam”, explicou Ricardo Cordeiro, o presidente da Associação Académica. No início do ano letivo, houve alguns problemas na acomodação de alunos mas Ricardo Cordeiro explica que, muitas vezes, “por desconhecimento da cidade”, os estudantes “procuram nos locais mais óbvios e mais restritos”. Os estudantes que têm maior dificuldades são os africanos. “É a maior dificuldade. O custo de vida é muito barata, não temos que nos preocupar em termos de transporte por enquanto, porque estamos na área do IPB” disse Sandra Ingoqui, presidente dos estudantes africanos. A ação desenrolou-se em bairros mais periféricos ao IPB, como Vale d’Álvaro, Mãe d’Água ou Pinhal. Locais em que a “autarquia assegurou o reforço de transportes públicos”, garantiu Sobrinho Teixeira. Recorde-se que, este ano, o IPB cresceu 36 por cento no número de entradas de alunos para a instituição.

Publicado por: “Mensageiro de Bragança”

Praxe Solidária no IPB pretende recolher alimentos não perecíveis

Como já vem sendo tradição, a Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Bragança realiza a Recolha de Alimentos não perecíveis em conjunto com os novos alunos, bem como o resto da comunidade estudantil agrária. Esta atividade está marcada para o dia 27 de Novembro e integra a designada Praxe Solidária de 2017.

A Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária vai realizar-se uma recolha de alimentos não perecíveis, no dia 27 de Novembro, das 09h as 21h nos hipermercados Pingo Doce, Intermaché, Delícias e Mini-preço. A iniciativa resulta duma conjugação de esforços dos alunos desta escola do Instituto Politécnico de Bragança (IPB).
A ideia despontou numa reflexão entre alunos que se predispuseram a desenvolver tarefas com o fim de incrementar acções no sentido de prestar um serviço para além de cívico, acima de tudo humanitário.
A Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária do IPB já desenvolveu acções semelhantes em anos anteriores, “estas acções foram pautadas por um enorme êxito e constituíram um alicerce que a Associação de Estudantes mostra orgulho e pretende perpetuar“, refere fonte da organização.
Os estudantes dizem fundamentar a iniciativa no facto de “existir cada vez mais a necessidade de inter-ajuda e com este simples e singelo gesto tenta a Associação de Estudante e os Alunos da Escola Superior Agrária, contribuir um pouco para melhorara a vida do próximo“.
Os produtos recolhidos com esta ação solidária reverterão para instituições de apoio social da cidade de Bragança.

Publicado por: “Notícias do Nordeste”