Bragança acolheu o Congresso EARMA mais participado de sempre

Bragança acolheu aquela que foi a edição mais participada de sempre do Congresso EARMA – Associação Europeia de Administradores e Gestores de Ciência.
De 22 a 25 de Junho, a Cidade foi o destino de mais de 250 decisores nas mais variadas áreas científicas, que participaram em workshops e palestras que tiveram lugar no Instituto Politécnico de Bragança.
A realização, em Bragança, do 17.º Congresso EARMA, organizado pelo Instituto Gulbenkian de Ciência e pela Câmara Municipal de Bragança, com a colaboração do Instituto Politécnico de Bragança (apoiado por fundos comunitários no âmbito de uma candidatura do Município de Bragança), comprova que “estamos à altura de responder a estes desafios, sendo que não podemos estar à margem destes programas, porque o conhecimento alavanca o progresso”, sublinhou o Presidente da Câmara Municipal de Bragança, Eng.º António Jorge Nunes.
Já o Presidente do Instituto Politécnico de Bragança, Professor João Sobrinho Teixeira, adiantou que o facto de este evento ter lugar em Bragança é essencial para que novas parcerias, ao nível da investigação, sejam estabelecidas com outros países.
Teve, ainda, lugar uma reunião entre a EARMA e a sua congénere Americana, a National Council of University Research Administrators – NCURA, durante a qual foram efectuados a avaliação, a análise e o lançamento da nova edição da parceria EARMA/ NCURA para a realização de estágios, partilha e troca de experiências de gestores de ciência europeus e americanos.
O último dia da conferência da EARMA foi reservado para a constituição da Associação Lusófona e Internacional de Administradores de Ciência (ALeIAC), cuja cerimónia decorreu no Centro de Arte Contemporânea Graça Morais.
Trata-se de um organismo que, nesta fase inicial já suscitou o “interesse” de mais de 25 instituições, e que visa gerir e administrar a ciência em países cuja língua seja o Português.
Sedeada em Bragança, no Centro Cultural Municipal Adriano Moreira, a ALeIAC permitirá, segundo o Director Adjunto do Instituto Gulbenkian de Ciência, Eng.º José Mário Leite, “congregar, numa entidade, todas as preocupações, as expectativas e os problemas dos gestores que falam português, sendo que passará a ser uma porta para a Europa e para o resto do Mundo”.
Recorde-se que o 17.º Congresso EARMA reuniu nomes de cientistas e investigadores, como o do Director do Instituto Gulbenkian de Ciência, Professor António Coutinho, do Director Adjunto do Instituto Gulbenkian de Ciência, Eng.º José Mário Leite, e do Presidente do EARMA e Professor na Universidade de Copenhaga, Jan Andersen, entre muitos outros.

Veja o suplemento publicado no Mensageiro de Bragança sobre o evento:
Suplemento Mensageiro de Bragança (2.178 Kb)

Publicado em ‘Cm-Bragança‘.

Bragança: Associação Lusófona de Ciência foi constituída no decurso das jornadas do EARMA.

Foi criada oficialmente, em Bragança, a Associação Lusófona e Internacional de Administradores de Ciência (ALeIAC), entidade que terá como objectivo a gestão e administração de ciência nos países em que o Português é a língua materna.

O director adjunto do Instituto Gulbenkian de Ciência e membro do Conselho da Associação Europeia de Administradores e Gestores em Ciência (EARMA), José Mário Leite, destacou, a importância desta associação para os países lusófonos.
“Com a constituição da ALeIAC, Portugal assume-se como um país ponta de lança em Bruxelas, na área da gestão e administração de ciência em países lusófonos, de forma a haver uma maior aproximação com países como Brasil, Angola, Cabo Verde, Moçambique ou Timor”, acrescentou.
Por outro lado, os países lusófonos vão poder usufruir da experiência que os Estados Unidos têm em matéria de gestão e administração científica e das “boas relações institucionais” entre a EARMA e o seu congénere norte-americano, o Conselho Nacional de Administradores de Investigação Universitária (NCURA).
“Os americanos estão dispostos a partilhar os fundos destinados para a administração e gestão de ciência que, neste momento, poderão rondar mais de 140 milhões de euros”, acrescentou José Mário Leite.
Nesta fase de constituição da ALeIAC, mais de 25 instituições já mostraram interesse em aderir, casos da Universidade Independente de Maputo (Moçambique), dos institutos politécnicos de Bragança e Portalegre e do Ministério da Ciência de Cabo Verde.
Publicado em ‘RBA‘.

Bragança: Encontros internacionais colocam cidade no mapa europeu dos grandes eventos

O presidente da Câmara de Bragança considera que a cidade reúne condições “ímpares” para a organização de eventos internacionais devido a fatores como a segurança, qualidade e afirmação de parceiros científicos, aliados aos atributos culturais e turísticos.

Segundo disse Jorge Nunes, a captação de eventos científicos e culturais à escala mundial, só é possível devido à boa articulação entre as instituições existentes na cidade e no distrito.
“Esta iniciativas resultam da união de esforços que ajudam a promover a região de Bragança, trazendo ao distrito pessoas dos cinco continentes como é o caso dos participante na conferência internacional do EARMA [European Association of Reserarch Managers and Administrators]”, acrescentou Jorge Nunes.
Bragança foi palco recentemente de eventos com o XXI Encontro da Associação de Universidades de Língua Portuguesa (AULP) e o II Encontro Europeu da Castanha da Castanha. No entanto, até ao final do ano estão asseguradas mais iniciativas que prometem trazer a Bragança mais investigadores e pessoas ligadas à ciência e cultura.
“Este tipo de iniciativa assegura que o nome de Bragança passa a ser registado por um número de pessoas com capacidade de promover e divulgar as potencialidades da região nos seus países de origem”, frisou o autarca.
Na opinião de Jorge Nunes, outra das vantagens destes eventos é que o nome de Bragança fique associado e registado em importantes documentos e decisões.
Por seu lado, o presidente do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Sobrinho Teixeira, destaca o papel da estratégia do politécnico num conceito de internacionalização, aliada investigação.
“A estratégia foi implantada no último ano e meio e tem-se refletido nesta série de encontros que têm acontecido em Bragança”, acrescentou o docente.
Sobrinho Teixeira, recorda que o IPB tem cerca de 8.000 alunos, e 1.500 pessoas a trabalhar na instituição numa cidade com 25 mil habitantes, tem de haver um interação com a comunidade, na expansão e promoção da região.
“Esta interação está a sentir-se em toda a estrutura da cidade quer ao nível da hotelaria, restauração, serviços e comercio sendo esta uma missão do IPB”, acrescentou Sobrinho Teixeira.
O presidente do IPB, em jeito de conclusão, afirmou que tem “ recebido elogios do que visita a cidade do interior no decursos das actividades”.
Publicado em ‘RBA‘.

EARMA pode ajudar ao desenvolvimento de projectos em Bragança

Cerca de 300 pessoas de todo o mundo estão em Bragança a participar na 17ª conferência Anual da EARMA- Associação Europeia de Administradores e Gestores de Ciência. O evento arrancou ontem e em cima da mesa esteve o financiamento de projectos de investigação em ciência até 2020, um tema de âmbito mundial que poderá contribuir para o desenvolvimento da região. O presidente da Câmara de Bragança, Jorge Nunes, realça a importância de apoios comunitários na área científica para a viabilização de projectos como o Parque de Ciência e Tecnologia, um projecto que já foi aprovado pelo QREN.
“Curiosamente a matéria que está aqui em discussão e que foi apresentada pelo responsável da investigação a nível europeu tem a ver connosco. O parque Ciência e Tecnologia beneficia de apoios comunitários para a inovação. Nós somos parceiros activos na estratégia que a Europa neste momento está a discutir, no sentido de no âmbito da estratégia Europa 2020 assegurar uma Europa de inovação”, enaltece Jorge Nunes.O autarca realça, ainda, que Bragança não pode ficar à margem desses projectos. “No Parque Ciência e Tecnologia queremos muitos projectos que beneficiem de apoio financeiro para a investigação, acrescenta o edil. As palestras e workshops dedicados à ciência estão a decorrer no Instituto Politécnico de Bragança, que no futuro poderá integrar equipas de investigação internacionais. O azeite, a transformação de carne ou as engenharias química e Informática são algumas das áreas em que o Politécnico já tem trabalho reconhecido. O presidente do IPB, Sobrinho Teixeira, afirma que o acolhimento deste evento é fundamental para que possam ser estabelecidas parcerias com outros países ao nível da investigação.

“Não se constituem equipas se eu não souber qual é o tipo de investigação que o outro faz e para isso são determinantes estes encontros. O facto de ser em Bragança vai-nos pôr numa posição privilegiada, porque caso seja Bragança a convidar outros parceiros para fazer equipa, quer seja o Politécnico convidado para fazer partes dessas parcerias este encontro é determinante”, assegura Sobrinho Teixeira.

O próximo Programa Quadro vai disponibilizar mais de 86 mil milhões de euros para serem investidos em ciência e investigação até 2020. José Mário Leite, director Adjunto do Instituto Gulbenkian de Ciência e membro do Conselho da EARMA, explica a necessidade da Europa aumentar o investimento em Ciência nos próximos anos.

“Vai haver um acréscimo de investimento em Ciência e a Europa fá-lo por duas razões, a primeira é porque entende que é bom para os países europeus e em segundo porque de alguma forma se sente obrigada, dado que os Estados Unidos estão a descolar. Ou seja, a percentagem do PIB que se investe em ciência está a aumentar relativamente à Europa e porque a diferença que a Europa tinha em relação aos países emergentes, como é o caso do Brasil, da China e da índia está a diminuir”, explica Mário Leite.

A 17ª Conferência Anual da EARMA termina hoje com uma sessão de encerramento oficial no Politécnico, seguida da inauguração da ciclovia de Bragança. Já amanhã vai ser constituída a Associação Lusófona e Internacional de Administradores de Ciência.

Publicado em ‘Rádio Brigantia‘.

Conferência anual da EARMA reúne mais de 200 de decisores e gestores de topo da área das ciências de todo o mundo

A cidade de Bragança acolhe até ao próximo dia 24 de junho a XXII Conferência Anual da EARMA – European Association of Reserarch Managers and Administrators – iniciativa que conta com a presença de mais de 300 participantes.

Segundo o membro da direcção da ERMA e também director adjunto do Instituto Gulbenkian de Ciência José Mário Leite, disse que o evento, trará nos próximos três dias à região trasmontana mais de 300 gestores e decisores de topo da área da ciência de todo o mundo, responsáveis pela gestão dos fundos atribuídos às áreas científicas e desenvolvimento pelos Programas Quadro.
“ A capacidade hoteleira de Bragança está esgotada, estas pessoas têm poder de compra e escolhem o que de melhor tem a região transmontana”, acrescentou José Mário Leite.
Esta associação de administradores e gestores de ciência conta com mais de 300 membros individuais e 80 membros institucionais, ligados a uma rede científica em toda a Europa.
O Congresso vai decorrer nos” campus” académico do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) e será uma mais valia para todo o distrito de Bragança, tanto a nível científico como turístico e detém já o recorde de inscritos no seio destas conferências.
“Estamos numa altura em que a saída da crise passa pelo investimento na ciência, a conferência de Bragança acontece na altura ideal”, acrescentou José Mário leite.
Além dos participantes europeus haverá membros vindo dos Estados Unidos, China, Qatar, Brasil, África do Sul, Arábia Saudita e Coreia do Sul.
Nesta conferência anual, vão estar em discussão a gestão dos dinheiros públicos em ciência e antever oitavo quadro comunitário de apoio que os gestores e administradores desta área acreditam vai trazer um aumento do investimento em ciência na ordem dos cem mil milhões de euros
A cidade de Bragança ganhou a organização da conferência a cidades europeias com Dublin e Viena de Áustria contando a iniciativa com o apoio da Câmara de Bragança e IPB.
Publicado em ‘RBA‘.