IPB alarga Programa Erasmus à Europa Oriental e Sul do Mediterrâneo

O Instituto Politécnico de Bragança (IPB) vai alargar o raio de acção do Programa Erasmus, desta feita a países de fora da União Europeia, nomeadamente da Europa Oriental, como Arménia, Azerbaijão, Bielorrússia, Geórgia, Moldávia e Ucrânia, e do Sul do Mediterrâneo, nomeadamente Argélia, Marrocos e Tunísia.
Este novo projeto de cooperação representa mais 70 estudantes estrangeiros em Bragança e 50 docentes em mobilidade. “O IPB ganhou a candidatura nestes países”, explicou Luís Pais, vice-presidente do IPB, à margem do primeiro encontro cuja abertura teve lugar na passada segunda-feira, com a presença de 30 docentes de vários países. Atualmente a instituição tem cerca de 1200 alunos de mais de 60 países. O projeto Erasmus+ ICM consolida o programa de internacionalização do Instituto Politécnico onde 16% dos estudantes possuem nacionalidade não portuguesa “É um projeto Erasmus especial, cujo objetivo é suportar a mobilidade de estudantes e docentes, que permite a dupla diplomação, que requerem uma cooperação mais intensa entre as instituições envolvidas”, referiu Luís Pais.
Ao abrigo este programa vêm vários alunos de mestrado, na maioria dos casos já concluíram o primeiro ano nas instituições de origem, para frequentar sete programas lecionados em inglês. “São alunos que estão a realizar a sua tese de mestrado em coorientação com professores das instituições de origem. Esta é a novidade de projeto, o maior entrosamento e cooperação entre o IPB e as instituições estrangeiras”, acrescentou o responsável. O projeto aprovado para o Instituto Politécnico de Bragança prevê a estadia dos estudantes não-comunitários durante um ano letivo e a obtenção do duplo diploma no IPB em diversas áreas, incluindo as Engenharias (Engenharia Biotecnológica, Civil, Informática, Mecânica e Química), a Gestão (Gestão de Negócios Internacionais e Gestão de Empresas) e as Ciências Agrárias (Gestão de Recursos Florestais).
A candidatura do IPB obteve a melhor avaliação por parte da Agência Nacional Erasmus+, tendo recebido um financiamento de cerca de seiscentos mil Euros para a mobilidade destes estudantes, professores e colaboradores no ano letivo de 2015/2016.
Encontram-se atualmente em Bragança 58 estudantes destes países para mobilidade internacional e obtenção de duplo diploma de licenciatura e de mestrado. Cerca de 90% fluxos de mobilidade serão de recepção de alunos estrangeiros e 10% são de envio de estudantes do IPB para esses países. “A partir de 2017 está previsto que o IPB enviei os seus alunos para esses países.
A captação de alunos estrangeiros é uma tendência em crescimento. “É importante para o futuro da instituição, para a sua sobrevivência, para a sobrevivência da cidade e da região que têm que ter capacidade de atrair estudantes. Temos capacidade de fazer bem a mobilidade internacional que também se potencia ao nível de outra cooperação como a investigação científica”, sublinhou o responsável.

Publicado em ‘Mensageiro‘.

Escola ganha edifício ao fim de 20 anos de espera

“A Câmara de Mirandela e o Instituto Politécnico de Bragança estão de parabéns pela parceria que permitiu a conclusão desta obra”. Declarações do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, na passada quinta-feira, na cerimónia de inauguração do novo edifício da Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo (ESACT) de Mirandela.
Manuel Heitor sublinhou que este investimento “vem dar uma nova centralidade à região e reforçar o conhecimento que será uma aposta estratégica deste Governo”, garantiu o Ministro no dia considerado histórico, que acontece depois de 20 anos a funcionar em instalações provisórias. “É o fim de um longo calvário, mas também um novo desafio de consolidação e de afirmação da maior escola desconcentrada do país”. É assim que o presidente do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) descreveu este dia.
“É uma vitória da região e merecida, porque esta escola é a que representa o melhor exemplo de sucesso pela capacidade de afirmação e pela maturidade que atingiu. É ainda um claro exemplo de como a persistência e a teimosia de uma região pode dar frutos”, acrescenta Sobrinho Teixeira.

Investimento estratégico
O edifício custou cerca de 5 milhões de euros, financiado, em 85 por cento, por fundos comunitários e os restantes 15 por cento suportados pelo Município, que também cedeu o terreno. Não houve qualquer investimento do Estado.
O autarca de Mirandela não tem dúvidas que se trata “de um dos maiores investimentos alguma vez efetuado na região” e garante que não está arrependido do esforço financeiro que foi necessário para concretizar a nova escola. “Tivemos de reduzir para metade verbas que estavam destinadas para a remodelação do centro cultural e para o museu da oliveira e do azeite”, revela António Branco, sublinhando que esta aposta insere-se numa estratégia a longo prazo. “É um contributo na inversão de saída de jovens para as zonas litorais e captação de massa crítica, através de docente e alunos”, acredita. O autarca vai mais longe e diz que se não fosse o Município a avançar com este investimento “estávamos a deparar-nos com o encerramento do IPB em Mirandela”.
Também José Silvano sente “orgulho em ter feito parte deste longo processo”. O deputado do PSD e antigo presidente do Município de Mirandela recorda que esta “foi uma luta muitas vezes incompreendida por muita gente”, adianta.
Os alunos reagem com satisfação. “Finalmente vamos deixar de andar em locais dispersos pela cidade”, refere o presidente dos estudantes, Tito Resende.
Depois de 20 anos a funcionar em instalações provisórias, no centro cultural e no antigo edifício da PT, a escola vai ter finalmente casa nova.
No entanto, os alunos só devem poder estrear as novas instalações, no início do mês de Março, altura em que Sobrinho Teixeira perspetiva que esteja completa a instalação de todo o mobiliário e equipamento. “Trata-se de um investimento de cerca de um milhão de euros”, afirma.
A ESACT começou como pólo do IPB, em 1996, com 70 alunos. Passou a escola autónoma, em 1999, e conta agora com mil alunos.

Residência para alunos estrangeiros
Criar uma residência para albergar cerca de meia centena de estudantes do Programa Erasmus, para aumentar o número de alunos estrangeiros. É o próximo objetivo do presidente do Município de Mirandela, depois da inauguração do novo campus da ESACT. “Não recebemos mais alunos de outros países, porque temos dificuldades no alojamento, com custos algo elevados e temos de os colocar ao nível de outras instituições da região. Para isso, é essencial criar essa residência”, justifica António Branco que pretende, em breve, apresentar esse projeto ao Ministério da Ciência e Ensino Superior. “Vamos trabalhar para quando apresentarmos o pedido não seja possível dizer não”, conclui.
E os alunos da ESACT vão poder usufruir de equipamento de ponta, no valor de cerca de um milhão de euros, que o presidente do IPB espera venha a ser aproveitado para trabalhos na área da comunicação. “A própria comunicação social pode produzir aqui conteúdos para mostrar o que de melhor tem a região, promovendo o marketing territorial”, avança Sobrinho Teixeira
A olhar para o futuro, o diretor da ESACT não esconde que a médio prazo gostaria de ver alargado o leque de cursos a leccionar pela instituição, principalmente na área da comunicação. “Já temos um mestrado que faz a ligação com o marketing e o turismo. Já temos a administração autárquica, que liga a gestão e administração pública com a solicitadoria e temos a vertente da comunicação mais pura que a escola ainda não tem nenhuma formação de segundo ciclo. Gostaria de reforçar essa aposta a médio prazo”, afirma Luís Pires.
Para já, a ESACT de Mirandela tem cerca de mil alunos distribuídos pelos cursos de Turismo, Solicitadoria, Design de Jogos Digitais, Gestão e Administração Pública, Multimédia, Marketing, Tecnologias da Comunicação e Informática e Comunicações, a que se juntam os mestrados em Administração Autárquica e marketing turístico

Dia do IPB
Pela primeira vez, o aniversário do IPB foi assinalado em Mirandela e das comemorações fizeram parte outros importantes eventos. Logo pela manhã, o Museu Municipal Armindo Teixeira Lopes acolheu uma reunião do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) que congrega todos os Presidentes dos Institutos Superiores Politécnicos nacionais. Ao longo da tarde, o Auditório Municipal de Mirandela encheu para assistir à celebração do Dia do Instituto, numa cerimónia de grande simbolismo em que a Câmara Municipal de Mirandela recebeu a Medalha de Honra do IPB que anualmente é atribuída a uma entidade nacional.

Publicado em ‘Mensageiro‘.

Cabo Verdiana conquista titulo de melhor aluna

Com apenas 21 anos de idade, através duma parceria com a Câmara municipal do Sal, e com o apoio da sua família, a estudante conseguiu entrar na Escola de saúde de Bragança
A estudante Cabo Verdiana da ilha do Sal – Santa Maria, Suellen Brito, conquistou no passado dia 28 de Janeiro o titulo de melhor aluna do CET de Técnico de Laboratório da Escola de saúde em Bragança, Portugal.
Com apenas 21 anos de idade, através duma parceria com a Câmara municipal do Sal, e com o apoio da sua família, a estudante conseguiu entrar na Escola de saúde de Bragança, estando neste momento, no primeiro ano do curso superior de Ciências Biomédicas Laboratoriais.
A jovem estudante afirma que decidiu ir estudar em Portugal em Bragança devido às oportunidades que a cooperação existente entre Bragança e a ilha do Sal favorecem para os jovens da ilha, e que outro grande fator que a levou a tomar esta decisão foi pelo fato de que vários amigos estudantes lhe terem dito que o nível de vida ali seria de baixo custo.
Suellen hoje para além de ter constatado o que os colegas e amigos tinham afirmado relativamente à qualidade de vida estudantil em Bragança, ela também reconhece que a Escola superior de Bragança, é uma instituição de grande valor no qual a mesma afirma ser uma das melhores do país.

Publicado em ‘Ocean Press‘.

Autarca salienta esforço financeiro na construção do novo campus da ESACT

O presidente do Município de Mirandela reitera a confiança que o novo campus da Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo (ESACT) de Mirandela deve estar pronto para receber os cerca de 1100 alunos, no dia 28 de Janeiro, precisamente o dia em que o IPB adotou nos seus estatutos como “o dia do instituto”.
A obra física já ficou concluída no final do Verão, mas faltava o mobiliário, que não estava incluído na candidatura aos fundos comunitários. António Branco diz agora que o caso está a ser resolvido, fruto de um investimento de cerca de 300 mil euros, e confia na abertura do novo edifício, na próxima semana. “A obra foi feita com alguma pressão, devido à questão dos fundos comunitários e neste momento está a decorrer a instalação de equipamentos e de mobiliário, pelo que tudo deve estar operacional para inaugurar no dia 28, mas o mais importante é que a obra está lá”, diz. O autarca lamenta que não esteja a ser reconhecido o esforço financeiro que o Município teve de fazer para que a obra, prometida por sucessivos governos, fosse agora uma realidade. “Acabamos por servir de barriga de aluguer do IPB que não conseguia financiar a obra e nós conseguimos levar até ao limite a nossa capacidade de negociação”, conta. António Branco recorda que a obra custou cerca de cinco milhões de euros. “É um dos maiores investimentos de sempre na região. Se lhe juntarmos o equipamento tecnológico que está a ser instalado, no valor de 800 mil euros e o mobiliário, que ascende a 300 mil, então estamos a falar de uma obra que fica em mais de seis milhões de euros”, adianta.
Cerca de 85 por cento teve a comparticipação dos fundos comunitários, mas cerca de um milhão de euros foram da responsabilidade do Município. “O terreno foi doado pelo município, mais os cerca de 750 mil da comparticipação nacional, são nosso encargo”, lembra.
Para suportar esse encargo, António Branco revela que a autarquia teve de desistir de obras e reduzir investimento em outras. “O Município tinha uma remodelação do centro cultural, no valor de um milhão e oitocentos mil euros, preparada para arrancar, tiramos um milhão para as obras do IPB. No museu da oliveira e do azeite, tinha 500 mil euros só para mobiliário e reduzimos para metade”, acrescenta.

Investimento estratégico
António Branco vai mais longe e diz que se não fosse o Município a avançar com este investimento, podia mesmo estar em causa a continuidade do ensino superior em Mirandela. “Se não fosse realizada, provavelmente, hoje, estávamos a deparar- -nos com o encerramento do IPB em Mirandela”. Para além de melhores instalações, a escola vai ficar dotada de equipamento de ponta na área de multimédia e jogos digitais. Para além disso, este ano, “a escola recebeu mais 300 alunos e esta opção estratégica de investimento para o concelho vai ter uma influência muito grande naquilo que vai ser Mirandela no futuro”. O autarca de Mirandela entende que este avultado investimento suportado pelo Município foi fundamental para a manutenção do ensino superior em Mirandela e não tem dúvidas que com o novo campus, estão criadas as condições para a sustentabilidade e o crescimento da ESACT.

Publicado em ‘Mensageiro‘.

IPB quer criar Centro de Inovação Industrial

O Instituto Politécnico de Bragança pretende criar um Centro de Inovação na área industrial. Depois da criação do Centro de Investigação de Montanha – CIMO, o único no país, a instituição de ensino superior quer investir no desenvolvimento e pesquisa científica no sector secundário.
De acordo com Sobrinho Teixeira, presidente do IPB. “Eu não escondo. O Politécnico de Bragança quer também promover aqui a introdução de um laboratório de inovação industrial, ou seja, tendo em conta toda a realidade que existe agora. Da criação aqui de um sector secundário e de um “cluster” no sector secundário baseado na industria automóvel”, cita Sobrinho Teixeira.
O presidente do instituto considera que um laboratório deste tipo teria um papel muito importante no desenvolvimento e criação de riqueza na região. Mas acredita que pode ser difícil conseguir financiamento: “O que me parece é que se não existir aqui esta perspectiva, por ventura, teremos muita mais dificuldade em fazer evoluir este laboratório de inovação industrial para conseguir criar riqueza aqui dentro da região ” disse o presidente do instituto.
O centro de inovação industrial deverá ser candidatado pelo IPB ao programa de financiamento europeu do Norte 2020.

Publicado em ‘Rádio Brigantia‘.

Estreia da receção aos caloiros do IPB na terra da alheira

As novas instalações da Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo (ESACT) de Mirandela devem estar prontas para receber os cerca de 1100 alunos, no dia 28 de Janeiro, precisamente o dia em que o Instituto Politécnico de Bragança (IPB) adotou nos seus estatutos como “o dia do instituto”.
A data é avançada pelo presidente da câmara de Mirandela, que justifica o atraso na conclusão das novas instalações. “A candidatura que a câmara fez não tinha mobiliário, contemplava apenas a construção e neste momento estamos a pressionar a CCDRN para encontrar uma candidatura que permita equipar a escola”, explica António Branco.
O novo campus teve um investimento de cinco milhões de euros, comparticipados por fundos comunitários, em 85 por cento, e a autarquia disponibilizou os restantes 15 por cento. As declarações do presidente do Município de Mirandela foram proferidas, na passada quarta-feira (14 de outubro), durante a sessão de boas vindas aos novos alunos de todo o IPB, que, pela primeira vez, nos últimos 20 anos, desde que existe a ESACT, aconteceu na cidade de Mirandela.
No total, marcaram presença na cerimónia, realizada no anfiteatro do Parque do Império, cerca de 1600 caloiros. O presidente do IPB justifica esta descentralização do evento com uma promessa antiga. “Sempre disse que isso aconteceria quando o novo campus estivesse concluído e isso já é uma realidade. Foi uma luta de todos, uma luta do IPB, uma luta dos mirandelenses, uma luta da região e a promessa tinha de ser cumprida”, sublinha Sobrinho Teixeira, acrescentando que outro objectivo passa por “mostrar a realidade do IPB que está presente em vários locais da região”, diz.
Sobre a falta de financiamento para o mobiliário, aquele responsável espera que a solução venha a ser encontrada, “sob pena de ser um defraudamento das expetativas para todos os mirandelenses e para o próprio IPB. Seria um mau uso dos dinheiros públicos porque, ter uma instituição com este valor e com este custo sem a ter o mais rapidamente possível em funcionamento, não seria sensato”, conclui. Para o diretor da ESACT, a realização desta sessão em Mirandela “demonstra a importância que o IPB dá à escola”. Este ano, há cerca de 350 novos alunos e Luís Pires acredita que as novas instalações “serão fundamentais para um crescimento consolidado da ESACT”, adianta.
A nova escola pronta e a sessão de boas vindas do IPB, em Mirandela, têm um significado muito especial para o presidente da associação de estudantes da ESACT. “Estou muito emocionado com o facto de estes sonhos de duas décadas tenham sido concretizados no ano que estou na presidência”, afirma Tito Resende A festa de receção aos caloiros do IPB continuou junto das novas instalações da ESACT com uma churrascada.
Nesta altura, decorreram já as três fases de acesso ao ensino superior. O IPB aumentou em cerca de 15 por cento o número de alunos, esperando que chegue aos 7 mil estudantes. Faltam ainda ingressar na instituição centenas de alunos estrangeiros, que estão a chegar de forma faseada, à medida que obtém os vistos para viajar para Portugal. Até ao final do ano, espera-se que estudem no IPB, cerca de 1500 alunos estrangeiros, mais 300 do que no ano passado.
Também houve um aumento do número de cursos ministrados em língua inglesa, em relação ao ano anterior, que passaram de 3 para 7.

Publicado em ‘Mensageiro‘.

IPB recebe mais 600 mil euros para captar alunos estrangeiros

O Instituto Politécnico de Bragança foi a melhor candidatura a fundos para a captação de alunos estrangeiros. Esta instituição do Nordeste transmontano vai receber 600 mil euros para o pagamento de bolsas a alunos do Magrebe e da Europa de Leste, dinheiro que, frisa o presidente do IPB, Sobrinho Teixeira, “ficará na região pois será utilizado na economia local”.
Este dinheiros junta-se aos 600 mil que o Politécnico de Bragança já recebe pelos alunos de Erasmus da Europa, o que significa uma injeção de 1,2 milhões de euros na economia local. “Foi a primeira vez que houve esta candidatura e o IPB orgulha-se de ter ficado em primeiro lugar no ranking das candidaturas do Ensino Superior, sendo considerada a número um em termos de qualidade, obtendo a segunda maior quantia em valor absoluto de financiamento, pese embora a dimensão comparada do IPB com outras instituições do género localizadas no litoral e de maior expressão”, explicou o mesmo responsável.
O sistema funcionava através de pacotes que eram ganhos e o IPB conseguiu ganhar o pacote do Magrebe, que permitirá acolher alunos da Tunísia, de Marrocos e da Argélia e o pacote do Leste Europeu, de onde virão alunos da Bielorrússia, da Geórgia, da Arménia, da Ucrânia, da Moldávia, do Azerbaijão, entre outros, que se juntam ao Brasil. Uma candidatura que deixou Sobrinho Teixeira radiante. “É com grande satisfação que nós vemos a expansão desta capacidade de internacionalização do IPB e que fará com que no próximo ano aumentemos ainda mais o número de alunos estrangeiros que se vão estabelecer nas cidades de Bragança e de Mirandela”, disse.
Com esta candidatura, o IPB espera vir a acolher cerca de 250 alunos de um universo diferente daquele que era a área convencional de captação do próprio instituto. Todos os anos oferecemos um diploma simbólico a cada um dos países diferente representados no IPB. “Este ano foram 51 e no próximo serão mais. Isto significa não só que aumentamos o número de alunos, mas também que teremos mais alunos de regiões diferentes, o que aumenta a nossa diversidade cultural. Isto é importante para a economia local, já que há uma injeção direta de financiamento comunitário através destes alunos na economia local. Mas o essencial é tornar esta uma região cosmopolita que mesmo no interior consegue albergar no seu seio culturas tão diferentes, religiões diferentes e que consegue dar um lição de humanismo e tolerância na convivência com toda esta diversidade cultural”, frisou Sobrinho Teixeira.

Publicado em ‘Mensageiro‘.

Instituto Politécnico de Bragança vai receber mais 300 alunos de Erasmus

O Instituto Politécnico de Bragança vai receber pelo menos mais 300 alunos através do programa Erasmus que este ano prevê, pela primeira vez, a mobilidade de alunos de países fora da União Europeia, durante um ano.
A maioria destes estudantes virá da Europa de Leste, mas também de países como Marrocos, Tunísia e Brasil.
O IPB ficou em primeiro lugar na lista de instituições de ensino seleccionadas pelo programa Erasmus +, sendo contemplado com o segundo maior volume de financiamento para a atribuição de bolsas a estudantes. O IPB conseguiu uma verba de cerca de 600 mil euros, apenas sendo ultrapassado pela Universidade do Porto que obteve um financiamento de cerca de 870 mil euros.
O presidente do Instituto Politécnico de Bragança, Sobrinho Teixeira, não esconde a satisfação com o resultado obtido. “Estamos muito satisfeitos pelo facto de conseguirmos, na primeira vez que esta candidatura é feita, ter ficado em primeiro lugar, o que demonstra a aposta de qualidade, a nível internacional que o IPB está a fazer”, considera Sobrinho Teixeira.
No total, o programa Erasmus disponibiliza ao Instituto Politécnico de Bragança uma verba de cerca 1 milhão e 200 mil euros para programas de mobilidade. Sobrinho Teixeira destaca o facto da instituição de ensino ter vindo a desenvolver várias parcerias com instituições de ensino superior de vários países, sendo hoje reconhecido a nível internacional. “Esta classificação deve-se também ao facto de já termos um historial de cooperação no passado. Foi analisado o mérito da candidatura e ela já estava consolidada numa série de parcerias que o politécnico tinha já realizado com instituições desses países”, frisa o presidente do IPB.
Espera-se que mais de 1500 estudantes estrangeiros frequentem o IPB no próximo ano lectivo.

Publicado em ‘Rádio Brigantia‘.

Sobrinho Teixeira pede igualdade de acesso aos fundos comunitários no interior

No dia do IPB, o presidente da instituição frisou a necessidade de garantir que os fundos do novo quadro comunitário de apoio atribuídos à região vão ser canalizados para o interior. Sobrinho Teixeira sublinha que é importante que o valor do financiamento per capita seja igual ao de outras zonas do interior.
“O próximo quadro comunitário de apoio é muito virado para a competitividade e inovação. Há que ter a região capacidade de fazer a fluição dos fundos dentro da região Norte, que têm que vir para o interior. Parece-nos que é de assegurar que aquilo que acontece, por exemplo no Alentejo, onde se constituiu uma Comissão de Coordenação autónoma. É legítimo que os transmontanos almejem a que o financiamento per capita, que vai ser atribuído no Alentejo, também seja feito em Trás os Montes”, frisa Sobrinho Teixeira.
O presidente do Instituto Politécnico de Bragança deixou ainda a promessa ao presidente do município de Mirandela de realizar o próximo dia do instituto na cidade do Tua, nas novas instalações da Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo. As obras deverão estar concluídas no próximo Verão. Sobrinho Teixeira não tem duvidas de que esta escola vai atrair mais alunos ao IPB. “Não são só as salas de aula nem o mobiliário, é sobretudo o equipamento científico que irá ser providenciado, que tornará a escola de Mirandela, uma escola bandeira em determinadas áreas, como a comunicação e o turismo. Um dos grandes desafios para o próximo quadro comunitário é promover a região e, deste modo, a escola irá ter disponibilidade e capacidade para responder a esse desafio. Por outro lado, todo esse ambiente penso que será um factor positivo na captação de alunos para o IPB e para Mirandela”, salienta o responsável.
O Dia do Instituto serviu ainda para homenagear os melhores alunos e funcionários da instituição e assinar novos protocolos de cooperação com outras instituições de ensino. Também os antigos governadores civis de Bragança, Telmo Moreno e Jorge Gomes foram homenageados pela instituição, com a atribuição de uma medalha de honra do IPB.

Publicado em ‘Rádio Brigantia‘.

Presidente do Conselho dos Institutos Politécnicos preocupado com cortes no ensino superior

No dia do IPB, que assinalou os 32 anos da instituição, decorreu a tomada de posse do presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos. Joaquim Mourato, presidente do Instituto Politécnico de Portalegre iniciou assim o segundo mandato à frente deste órgão. O professor mostrou-se preocupado com os cortes no financiamento do ensino superior, que este ano vão ser mais acentuados do que em 2014.
“Em 2015 temos um corte em adicional relativamente a 2014 e em 2014 tivemos um corte adicional em relação ao ano anterior. Estamos a falar de uma sucessão de anos com cortes. É evidente que se, em 2014, as instituições tiveram dificuldade para honrar os seus compromissos, algumas tiveram que utilizar saldos que dispunham de anos anteriores, outras tiveram de fazer reforços adicionais, é evidente que com mais um corte, este ano vai ser pior. Vamos ter situações complicadas para honrar os compromissos assumidos”, frisa o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Politécnicos. Joaquim Mourato defendeu ainda a necessidade de repensar o programa “+ Superior”, criado para atrair estudantes do litoral para o interior . O responsável considera essencial mudar a época de lançamento do programa e perceber quais os cursos que precisam de mais alunos. “Este programa foi aplicado, essencialmente, a estudantes que já estavam nas instituições e não atraindo novos estudantes. É por isso que dizemos que ainda não foi suficientemente eficaz. A nossa proposta é lançar o programa na primavera, para os estudantes interessados conhecerem o programa a tempo e poderem tomar a sua decisão e perguntar às instituições quais os cursos em que se pretende a vinda desses estudantes. Porque, com base na classificação do secundário mais elevada, evidentemente que os alunos vão ser colocados nos cursos que, à partida, já estão cheios”, sublinha o professor. Em Bragança, 109 alunos estudam no Instituto Politécnico através do programa + Superior, que se traduz numa bolsa de cerca de mil euros por ano, de forma a garantir o pagamento das propinas.

Publicado em ‘Rádio Brigantia‘.