Sensores na floresta vão ajudar a detectar incêndios no Parque de Montesinho

Têm o tamanho de um telemóvel e são “relativamente” baratos. Projecto do Politécnico de Bragança prevê instalar sensores na floresta para antecipar alertas de ignições. Vai ser apoiado pelo programa de dinamização das regiões fronteiriças da Fundação La Caixa. Ideia é ser replicado noutros pontos do país.

Nesta altura do ano, o verde do Parque Natural de Montesinho já dá lugar aos tons de Outono. Entre as cores da paisagem, não há marcas negras visíveis: a área protegida tem sido poupada a incêndios graves nos últimos anos. Um grupo de investigadores do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) quer, porém, tornar o combate aos incêndios no local ainda mais eficaz e tem a tecnologia como grande aliado.
Em vários pontos do Parque de Montesinho — e também na serra da Nogueira, outra área protegida do concelho de Bragança, que faz parte da rede Natura 2000 — vão ser instalados sensores, sensivelmente com o tamanho de um telemóvel, que vão transmitir dados para uma central de comunicações, no IPB, que estará ligada aos bombeiros e à Protecção Civil.
“As novas ignições serão detectadas precocemente e os meios de combate mobilizados mais cedo, tornando o processo mais eficaz”, conta José Lima, investigador do Centro de Investigação em Digitalização e Inteligência Robótica, criado este ano, que coordena este projecto.
Antes da instalação dos sensores, o Centro de Investigação da Montanha do IPB vai fazer uma caracterização de cada uma das áreas em que o sistema será implementado, permitindo aos investigadores perceber onde colocar cada um desses dispositivos e também eleger os mais eficazes: sensores térmicos, de fumo ou infravermelhos, por exemplo.
A necessidade do projecto parte da constatação de que “existem lacunas na vigilância da floresta”, segundo José Lima. Não só porque esta é amplamente baseada no olho humano, em torres de vigilância e raramente há suporte tecnológico na detecção de novos incêndios, mas também porque sistemas de comunicação usados têm apresentado falhas. Por isso, o projecto que será desenvolvido em Bragança será “autónomo dos sistemas actuais”, sejam a rede de telemóvel ou sistemas com o SIRESP. Em alternativa, será usada uma rede LoRaWAN, tecnologia de comunicação de dados sem fios que permite transmissões a longas distâncias.
O projecto chama-se SAFe — Sistema de Alerta Florestal. Além dos dois centros de investigação do IPB, conta também com a participação do INESC Tec, sediado no Porto. Vai ser concretizado ao longo dos próximos três anos e vai receber quase cem mil euros da Fundação La Caixa, no âmbito da primeira edição do Programa Promove — Dinamização de Regiões Fronteiriças. Há outros quatro premiados entre os 30 concorrentes, todos de zonas do interior do país.
O investimento é “relativamente barato”, diz Lima. E a ideia dos investigadores foi precisamente desenvolver “um sistema de baixo custo que pudesse ser implementado e replicado em diversas zonas da floresta”. O que será necessário, noutros locais do país, é fazer também uma caracterização da floresta antes da aplicação do sistema tal como será feito no arranque deste projecto no Montesinho e na serra da Nogueira.
A intenção do Promove, o programa da Fundação La Caixa que vai financiar esta iniciativa, era precisamente “ter projectos com impacto na região e que fossem replicáveis noutras partes do país”, explica Artur Santos Silva, curador da fundação criada pelo banco espanhol, que comprou o BPI. A escolha teve em conta esse factor bem como a sua “qualidade, racionalidade e sustentabilidade”
As iniciativas apoiadas por este programa podiam ter um orçamento até cem mil euros. Os cinco escolhidos recebem entre 50 e 99 mil euros e têm três anos para executar as propostas. O investimento total é de 407 mil euros. Podiam candidatar-se instituições de regiões consideradas menos desenvolvidas do Nordeste e Este fronteiriço do país, que compreendem o distrito de Bragança, a Beira interior e uma parte do Alentejo. A escolha foi feita pela Fundação La Caixa “em diálogo com o Governo”, de acordo com Santos Silva. A intenção é reforçar a interacção nas zonas fronteiriças entre instituições espanholas e portuguesas.
Há um outro projecto a ser concretizado em Bragança entre os escolhidos e uma das suas componentes prende-se com a cooperação transfronteiriça. O Centro de Ciência Viva (CCV) da cidade chamou a Estação Biológica Internacional, sediada em Miranda do Douro, e com actuações dos dois lados da fronteira, para desenvolver uma visita virtual ao Douro internacional que os visitantes vão poder experimentar através de óculos de realidade virtual.
Esse será um dos quatro novos módulos da exposição do CCV de Bragança que o projecto apoiado pela Fundação La Caixa vai permitir desenvolver. Não é, porém, aquele que mais entusiasma Ivone Fachada, a directora daquele espaço. Isso nota-se pela forma como fala do projecto que vai permitir transformar a Casa da Seda, um dos edifícios do centro de ciência, num espaço auto-sustentável do ponto de vista energético.
O edifício vai ser alimentado por uma pico-hídrica e um moinho de água, que vão aproveitar as águas do rio Fervença, que corre mesmo junto ao CCV, para produzir energia, fruto de um projecto financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia que está na sua fase final de implementação.
O apoio da fundação surge “em complemento” deste projecto. Todo o sistema de produção de energia vai poder ser monitorizado e até parcialmente controlado pelos visitantes do CCV. “As pessoas vão poder perceber o impacto que tem na energia produzida a sua decisão de aumentar ou diminuir o caudal que entra no sistema”, ilustra Ivone Fachada.
O CCV vai também instalar sensores — de temperatura, ph e outros indicadores da qualidade da água — num troço do rio Fervença. A informação gerada vai também poder ser vista num ecrã acessível a todos os visitantes do CCV, dentro de dois a três anos. Este sistema de sensores também inclui um sistema de armazenamento de dados e métodos de Big Data para processar e visualizar diferentes parâmetros e contribuir para a melhoria das condições do rio.
O quarto módulo no Natureza Virtual será um “timelapse” (fotografias alinhadas que criam um vídeo que permite perceber a passagem do tempo) de um ano na vida do Parque Natural do Montesinho, que será possível ver num ecrã gigante no Centro de Ciência Viva.
Esta é a primeira edição do programa Promove. A fundação promete realizar “pelo menos mais duas edições”, de acordo com Artur Santos Silva. O concurso do próximo ano levará em conta esta primeira experiência e os contributos de empresários e responsáveis das instituições de ensino superior das regiões envolvidas, bem como de especialistas em desenvolvimento regional.

Publicado por: “Público”

Rever a protecção civil é a primeira missão do observatório independente dos fogos

Observatório Técnico foi criado pelo Parlamento por proposta do PSD. Primeiro parecer sobre o sistema de protecção civil deve estar pronto até ao fim de Dezembro.
O novo Observatório Técnico Independente para análise, acompanhamento e avaliação dos incêndios, criado pela Assembleia da República, vai ter como primeira missão apresentar uma proposta sobre a revisão do sistema de protecção civil.
Francisco Castro Rego, do Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, preside a este observatório composto por dez elementos, cuja composição foi conhecida na quinta-feira por despacho do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues. À Lusa, o especialista em floresta contou que o Observatório Técnico Independente vai ter a primeira reunião na próxima semana e só depois é que o grupo terá “uma visão mais concreta” sobre o trabalho.
No entanto, adiantou que o observatório vai elaborar até ao final do ano um parecer sobre o sistema de protecção civil, além de ter de fazer relatórios semestrais sobre a sua actividade. Rever o sistema de protecção civil é uma tarefa “muito complicada”, admite Castro Rego, mas é igualmente uma “peça fundamental” para o funcionamento do sector.
“Vamos começar em funções na próxima semana e vamos escalpelizar um pouco aquilo que a Assembleia da República incluiu no seu despacho porque é, de facto, uma tarefa muito volumosa a questão da revisão da protecção civil, juntamente com a análise dos incêndios que tenham ocorrido”, disse.
Uma outra tarefa, frisou, passa por analisar qual a influência da meteorologia nos incêndios deste Verão e qual “o efeito das políticas e das acções” no terreno. Francisco Castro Rego considerou também que o Observatório vai ter “um campo muito vasto” e “um mandato muito largo”.
“Temos de ver efectivamente quais as linhas de força a que temos de dar prioridade para podermos responder a tempo e cumprir o mandato que é atribuído”, disse, acrescentando que, apesar da organização do observatório estar por fazer, terão de ser criados grupos de trabalho.
O docente destacou igualmente que o “objectivo central” é dar recomendações ao Governo e à Assembleia da República para melhorar a prevenção e combate dos incêndios florestais.
Segundo o despacho assinado Ferro Rodrigues, os outros membros do Observatório são Paulo Alexandre Martins Fernandes (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro), também indicado pelo Conselho de Reitores, Joaquim Sande Silva (Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra) e João Carlos Martins de Azevedo (Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Bragança), indicados pelo Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos.
Já José Manuel do Vale Moura Ferreira Gomes, Emanuel Renato Sousa de Oliveira, Rui Manuel Victor Cortes, Xavier Viegas, Duarte Nuno da Silva Quintão Caldeira e Filipe Duarte Santos foram indicados por Ferro Rodrigues depois de ouvidos os grupos parlamentares.
Aprovado em Julho pela Assembleia da República, o observatório deve esclarecer o público não especializado e os decisores políticos sobre medidas técnicas e políticas no âmbito da prevenção e combate a incêndios, aconselhar o parlamento, emitir pareceres, analisar e avaliar as características e dinâmicas dos incêndios, monitorizar o impacto das medidas públicas e dar contributos, através da audição de especialistas e emissão de recomendações e pareceres, para a redução do perigo e risco de incêndio.

Publicado por: “Público”