Doenças dos castanheiros continuam a assolar os produtores

Um dos produtores de castanhas de São Martinho da Angueira, Miranda do Douro queixou-se que a sua exploração agrícola está a morrer por causa do cancro do castanheiro.
O cancro e outras doenças do castanheiro continuam a preocupar os produtores. Um deles é Porfírio Martins, de São Martinho de Anguei­ra, no concelho de Miranda do Douro, com cerca de 1000 exemplares. Confessou “que está a perder a esperança por­que está tudo a morrer e não adianta. O que mais nos atin­ge, neste momento, é o can­cro, não é a tinta”. Porfírio Martins além de produtor de castanha também é presiden­te da Florest’ Água – Asso­ciação de Produtores Flores­tais e Regantes de São Marti­nho e foi um dos presentes da IV Edição das Jornadas Téc­nicas do Castanheiro do pro­jecto Transfer Castanha.
Na freguesia de São Mar­tinho de Angueira está “si­tuada a maior dimensão de produção de excelência de castanhas do concelho de Miranda do Douro”, contou Carlos Silva, com soutos de pequena dimensão.
Na sessão de esclareci­mentos do Transfer Casta­nha, com um público bastan­te participativo, foram rea­lizadas recomendações es­pecializadas sobre as pragas que afectam esta produção. Uma das palestrantes foi Ro­salina Marrão, investigadora do CIMO – Centro de Inves­tigação de Montanha do Ins­tituto Politécnico de Bragan­ça, que recomendou o uso de armadilhas delta para a redu­ção da praga do bichado. O uso destas armadilhas desti­na-se à realização da mono­torização dos adultos dessa praga e serve para a captura em massa. Estas armadilhas podem ser adquiridas atra­vés de associações de agricul­tores e em lojas especializa­das de venda de produtos fi­tofármacos. Outra das pragas que assola os soutos é a tinta. Para o combate biológico da praga da tinta Eugénia Gou­veia recomendou a planta­ção de cereais à volta das ár­vores porque não são hospe­deiros de phytophthora. “A phytophthora está sempre no solo, o que significa que não dará condições para esta pra­ga crescer, ou seja, quando ela cresce e se instala acaba por morrer, porque não consegue sobreviver nas raízes dos ce­reais” aconselhou Eugénia Gouveia.
No caso da praga da ves­pa-das-galhas-do-castanhei­ro, “está a ser realizada uma monitorização no terreno pa­ra actuar no momento certo” informou Carlos Silva. Esta monitorização está a ser con­cretizada pelo Centro Nacio­nal de Competências de Fru­tos Secos, pelo Instituto Poli­técnico de Bragança em cola­boração com os municípios de Bragança e Vinhais que são os locais que representam 80% da produção nacional de castanha.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios no distrito

“Um dia que significa o aproximar dos cidadãos ao património e à sua valorização”
Dia 18 de Abril é o dia In­ternacional dos Monumen­tos e Sítios e de forma a co­memorar este dia, o Museu Abade Baçal, em Bragança, promoveu um conjunto de iniciativas de forma gratui­ta. O assinalar deste dia teve a inauguração de uma insta­lação artística dos alunos de arte e design do Instituto Po­litécnico de Bragança, com o tema floresta e as questões ambientais. De seguida teve lugar uma performance mu­sical e visitas guiadas à expo­sição «Memórias do Salto» e «Douro, lugar de um encon­tro feliz».
A directora do Museu, Ana Maria Afonso salien­tou que “são mais que moti­vos para visitar o museu”, pa­ra aproximar os cidadãos ao património.
Para a directora a existên­cia deste dia “significa o apro­ximar dos cidadãos ao patri­mónio, à sua valorização, à sua preservação no sentido de uma cidadania activa na salvaguarda dos valores pa­trimoniais, em prole de pas­sar de geração em geração, esta questão do património e da sua preservação e sobretu­do da sua vivência”, explicou Ana Maria Afonso.
No sábado, em Picote, Mi­randa do Douro foi visitada a Barragem, seguida da visua­lização de um documentário.
Também em Mirandela este dia foi comemorado, no domingo passado, com uma caminhada a Vale de Telhas, no dia que se assinalou o Dia Mundial da Terra . Para co­memorar este dia, em Car­razeda vão ter lugar as Ofici­nas de Conhecimento em Pa­trimónio Cultural, no dia 24 de Abril. No dia 28 de Abril, em Pinela, concelho de Bra­gança, vai acontecer uma ca­minhada, às 9h00, ao cas­telo de Alfenim, seguido de um workshop de construção de cantarinhas. Também no mesmo dia, em Mogadou­ro, vai decorrer um concer­to, do grupo HAI-LUZ. Nou­tro ponto do distrito, no dia 29, em Alfândega da Fé vai se realizar a visita ao Castro da Marruça.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Primeira marcha orgulho LGBT do distrito de Bragança a 19 de maio

O movimento LGBT vai organizar a 19 de maio, em Bragança, a primeira marcha do orgulho gay do distrito transmontano, que apresentou esta segunda-feira como um primeiro passo para deixar de ter medo do tema numa cidade conservadora.
Sara Canteiro, representante do movimento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero), espera que a iniciativa seja “aquele clique” que é preciso para as pessoas começarem a falar mais sobre isto, a compreender mais e principalmente a não ter medo”.
A organização conta com “100 a 150” participantes, a maioria esperada de outras zonas de Portugal e da vizinha Espanha, e “poucos de Bragança”, como admitiu à Lusa a representante, que “passo a passo” espera “conseguir abrir mentalidades e trabalhar mais com a comunidade” local.
“Quando se fala de Bragança fala-se que é uma aldeia grande, mas não, Bragança é uma cidade e assim como o politécnico que cresceu imenso, assim também a cidade vai crescer e eu acho que, apesar termos uma mentalidade mais fechada, é porque também não se trabalha tanto aqui essas questões, é preciso trabalhar isso”, considerou.
Apesar de ser uma cidade pequena, não significa, como acrescentou, que Bragança “não tenha comunidade LGBT e não significa que não seja preciso abrir mentalidades nesse sentido.
“Nós temos, por exemplo o IPB que traz muitos alunos, inclusive alunos de fora, muitos desses alunos também são da comunidade LGBT e também é uma forma de que eles se sintam protegidos vindo para uma cidade que sabem que respeita a comunidade”, apontou.
Sara é de Aveiro e estuda no Instituto Politécnico de Bragança há três anos e é do campus desta instituição de ensino superior que está previsto sair a marcha até ao centro da cidade, na Sé.
O programa contempla depois um sarau com um hino que estão a compor e a atuação do Fado Bicha, que se deslocará de Lisboa propositadamente para o evento, ainda com espetáculo de transformismo e decoração em memória das vítimas de discriminação.
O Museu Abade de Baçal abriu as portas para estes eventos programados para os jardins, se estiver bom tempo ou numa sala interior do edifício, se as condições climáticas não ajudarem.
“Propriamente da cidade não estamos a contar com muitas pessoas porque é difícil para as pessoas virem, serem associadas à comunidade LGBT por várias razões, seja por trabalho, seja por discriminação”, indicou.
A representante do movimento reconheceu que a comunidade local “ainda é muito fechada, mesmo entre os jovens nas casas dos 20 anos, mesmo a nível de professores e da cidade em si”.
“Vejo que as pessoas ficam atrapalhadas quando se fala sobre estas temáticas e às vezes têm medo só da própria palavra”, acrescentou,
A iniciativa conta com o apoio do Bloco de Esquerda de Bragança e o deputado municipal António Anes anunciou que vai levar à próxima sessão da Assembleia Municipal, na sexta-feira, um voto de congratulação com a iniciativa.
O eleito espera para ver “a reação” política dos restantes grupos partidários, mas admite que “a região não encara esta temática de muito bom grado”.
“Bragança ainda não está aberta a este tipo de movimento, mas com o tempo tudo se vai mudando e é preciso dar apoio a essas pessoas”, afirmou.

Publicado por: “Diário de Trás-os-Montes”

Mais informações em: “Notícias ao Minuto”

Estudantes mais novos de Bragança exploram Ensino Superior

“A Física, a Química e as sensações da carne” foi um dos laboratórios visitados pelos estudantes do ensino Básico, Secundário e Profissional que ao logo desta quarta-feira passaram pelo Instituto Politécnico de Bragança (IPB) no âmbito do Dia Aberto, uma iniciativa que permite aos jovens ficarem a conhecer os meandros de uma instituição de ensino superior.
Há dez anos que o IPB abre as portas das cinco escolas que o integram aos mais jovens e o impacto da iniciativa está comprovado. “Nós fazemos um inquérito aos alunos no ato de matrícula e temos uma percentagem interessante de alunos que participaram no Dia Aberto e que depois vêm estudar para o IPB”, referiu Anabela Martins, pró-presidente do IPB, destacando que “o impacto é interessante porque muitos jovens não tinham a noção do que é a instituição e não a escolhiam como prioritária, depois de virem passam a fazê-lo”.
Este ano, mais de 300 alunos de vários níveis de ensino aceitaram o convite para conhecer as instalações e ver os trabalhos de investigação em curso. “Pela primeira vez inscreveram-se escolas do ensino básico, mas a iniciativa está aberta a todos, mesmo à sociedade civil, qualquer pessoa se pode inscrever pode vir conhecer a instituição, mesmo que não seja Dia Aberto”, referiu Anabela Martins. Mais do que atrair alunos o IPB quer mostrar à sociedade que é uma instituição de portas abertas.
O politécnico tem cerca de 7500 alunos, 25% dos quais são estrangeiros. É muito procurado pelos estudantes do Litoral Norte, mas são sobretudo as escolas transmontanas que aderem ao Dia Aberto.

Publicado por: “Jornal de Notícias”

Politécnico de Bragança elege Orlando Rodrigues para presidente

O atual vice-presidente do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Orlando Rodrigues, foi hoje eleito novo presidente da instituição, função que ainda levará alguns meses a assumir, de acordo com os regulamentos do processo eleitoral.
Orlando Rodrigues foi candidato único à sucessão de Sobrinho Teixeira, que esgotou o número legal de mandatos (três) à frente do politécnico de Bragança.
A passagem de testemunho pode demorar ainda até setembro, como explicou à Lusa o presidente eleito.
A eleição do novo presidente foi feita hoje pelo Conselho Geral do IPB, mas carece ainda de ser homologada pelo ministro do Ensino Superior, pelo que Orlando Rodrigues prevê que a tomada de posse “nunca (será) antes de junho, julho, pode ser em setembro”.
Orlando Rodrigues faz parte da atual direção do politécnico de Bragança e afirmou que “a continuidade é um fator importante” da sua candidatura.
“Eu faço parte da atual equipa, sou vice-presidente e, portanto, estamos muito satisfeitos com os resultados que o Instituto Politécnico atingiu no seu percurso, mas em particular nos últimos tempos e daí a continuidade desse percurso, de afirmação”, sustentou.
Ainda assim, o presidente eleito tem objetivos pessoais para aquela que é das maiores instituições do distrito de Bragança, com cinco escolas e sete mil alunos e a maior percentagem de estudantes estrangeiros no Ensino Superior.
Orlando Rodrigues apontou que o politécnico de Bragança “conseguiu ao longo da sua história estar à frente: começando pela “qualificação e a capacitação científica, mais recentemente a internacionalização”.
“Somos claramente a instituição mais internacionalizada tanto em valores relativos como absolutos e essa é uma estratégia que está a ser seguida pelos outros e, portanto agora procuraremos outras formas de diferenciação do instituto”, continuou.
Aproveitando as capacidades adquiridas, Orlando Rodrigues pretende nos próximos tempos que o politécnico de Bragança se diferencie “por uma forte ligação à realidade, às empresas e por promover a inovação na economia”.
Esse será o lema “em conjunto com as empresas e as organizações da região e envolvendo de forma muito forte os alunos”.
“Isso obrigará a que inovemos nas metodologias pedagógicas, que façamos um ensino muito mais próximo da investigação e da economia e será por aí que nós procuraremos diferenciar-nos e marcar a diferença no contexto das instituições nacionais”, declarou.

Publicado por: “Diário de Notícias”

“Se não fosse a junta pagava a um contabilista para me entregar o IRS”

Alunos da licenciatura em Contabilidade do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) começaram no dia 11 de abril a deslocar-se a várias aldeias deste concelho para ajudar a entregar o IRS a quem solicite o seu apoio. Este ano é o primeiro em que a submissão é exclusivamente e obrigatória por meios digitais, via Internet. O papel deixou de ser uma alternativa mas muitos são os afetados. Uns por não terem meios informáticos disponíveis ou não saberem lidar com a Internet ou não terem familiares a quem recorrer.
A iniciativa resulta de um acordo entre a Autoridade Tributária, a câmara de Bragança e o Instituto Politécnico. Num primeiro momento funcionários das Finanças deram formação aos autarcas, agora são os alunos que se vão deslocar a oito freguesias para ajudar a população. As juntas de Espinhosela, Gimonde, Carragosa, Rebordãos, Santa Comba de Rossas, Grijó de Parada e Parâmio agarraram esta oportunidade.

Publicado por: “Mensageiro de Bragança”

As eleições da presidência do IPB realizam-se hoje e Orlando Rodrigues é o único candidato

Orlando Rodrigues é o único candidato à presidência do Instituto Politécnico de Bragança, nas eleições que se realizam hoje.
É docente na Escola Superior Agrária de Bragança há mais de 30 anos e a ocupa actualmente o cargo de vice-presidente da instituição. O candidato assume que encabeça um projecto de continuidade, e em entrevista à rádio Brigantia e Jornal Nordeste, Orlando Rodrigues traça como objectivos diferenciar o IPB pela inovação pedagógica, capacidade científica e ligação às empresas:
“É um projecto de continuidade com o projecto que temos tido até aqui, que se tem baseado essencialmente numa forte capacidade científica da instituição e de uma forte internacionalização. Pretende-se continuar essa linha e procurar novas de diferenciação da instituição, sustentada nesses grandes activos que temos, sobretudo na grande capacidade científica que a instituição tem e que se distingue das outras instituições congéneres a nível nacional. Pretendemos diferenciarmos através de uma forte ligação às empresas”, defendeu Orlando Rodrigues.
Apesar dos bons resultados nos rankings, que colocam o IPB como o melhor politécnico do país há quatro anos, o docente admite que não se vai acomodar com estes indicadores e apostar no crescimento da instituição:
“A perspectiva é de crescimento e de melhoria e não pode ser de outra maneira. Não podemos considerar que se está numa boa posição e deixar que os assuntos corram. O alcance são sempre projectos novos e a ansiedade de realizar mais e melhor. Este mundo do ensino superior é muito competitivo e sensível” disse Orlando Rodrigues.
Uma das alavancas de crescimento do instituto tem sido o aumento de alunos estrangeiros. Orlando Rodrigues afirma a internacionalização será uma estratégia para continuar, no entanto, com outra perspectiva:
“Somos a instituição que em números absolutos, não só relativos, mas também absolutos que mais estudantes internacionais tem no país. E não temos muita mais manobra de crescimento, porque estamos no limite das vagas internacionais que podemos ocupar. O objectivo é atrair agora bons alunos” acrescentou.
Estes são alguns dos temas de uma entrevista que pode ouvir na íntegra hoje aqui na antena da Rádio Brigantia depois do noticiário das 5 da tarde e que pode ler na edição desta semana do Jornal Nordeste.
As eleições para a presidência do IPB decorrem hoje e Orlando Rodrigues é o único candidato para substituir Sobrinho Teixeira.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

IMPLICARTE com “um maior sentido de contaminação da cidade”

Exposições, conferências, workshops, aulas abertas, concertos, dramatizações e performances por parte dos alunos dos cursos de formação artística da ESEB irão ter lugar em vários locais da cidade de Bragança até ao dia 10 de maio.
Decorreu na passada semana no Centro Cultural Municipal Adriano Moreira a inauguração da exposição IMPLICARTE – Mostra de arte visuais, dramáticas e músicas.
Organizado pelo Departamentos de Artes Visuais, de Expressão Dramática e Educação Musical da Escola Superior de Bragança (ESEB), o IMPLICARTE, já na sua sexta edição, pretende dar a conhecer os trabalhos dos alunos dos cursos artísticos da ESEB, do Instituto Politécnico de Bragança.
O evento começou no dia 10 de abril e estende-se até ao dia 10 de maio, incluindo na sua programação um leque de atividades tão variados como exposições, conferências, workshops, aulas abertas, concertos, dramatizações e performances que irão ocorrer em vários locais da capital nordestina como o Auditório do Conservatório de Música e Dança de Bragança, o Bar Praça 16, o – Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, o Centro Cultural Adriano Moreira, a Escola Superior de Educação de Bragança, o Foyer do Teatro Municipal de Bragança, a Igreja da Misericórdia e o Museu Abade de Baçal.
O IMPLICARTE propõe a apresentação do trabalho de 3 áreas fundamentais do ensino artístico: as artes visuais, o drama e a música. Distingue o trabalho realizado nos cursos de formação artística em funcionamento na Escola Superior de Educação de Bragança, mostrando percursos, matérias e linguagens que ao longo do processo de formação vão sendo questionados e experimentados.
Presente na inauguração, esteve a vereadora da Cultura e da Educação da Câmara Municipal de Bragança, entidade que, em conjunto com o Instituto Politécnico de Bragança, tem vindo a apoiar, desde o início, esta iniciativa. “A autarquia tem vindo sucessivamente a apoiar estas edições porque, realmente, aquilo que nos importa é demonstrar que o trabalho em rede é possível, demonstrar à comunidade este trabalho efetivo que nós vamos realizando de parceria e a IMPLICARTE é a prova de que esse trabalho é possível”, explicou Fernanda Silva, em representação do executivo brigantino.

Consulte a programação do evento em: www.implicarte.tk

Já a coordenadora do Departamento de Artes Visuais e membro da Comissão Organizadora do IMPLICARTE, revelou que o maior desafio “é colocarmos todos os parceiros a trabalharem para o mesmo sentido e, no fundo, responderem com a mesma paixão que a Comissão Organizadora tem”. De acordo com Jacinta Costa, “o IMPLICARTE implica esta mesma reunião em torno das artes, de um conjunto de professores, alunos, espaços culturais e privados de Bragança, que se implicam uns aos outros e que vão dinamizando a própria cidade, no sentido de exportarmos os nossos cursos de formação artística”.
Questionada sobre como evoluiu o IMPLICARTE e de que forma esse crescimento é visível, a responsável aponta que, nesta sexta edição, é possível constatar um “maior sentido de contaminação da cidade”, até porque este evento sai como nunca antes da própria ESEB para o exterior, referindo-se a espaços culturais, noturnos e privados que recebem de portas abertas a Mostra de Artes Visuais, Dramáticas e Musicais.
A Comunicação Social esteve, ainda, à conversa com alguns dos alunos que participam no IMPLCARTE com o intuito de perceber as suas vivências e o que retiram de toda esta experiência. “Estou aqui em representação dos alunos do curso de Arte e Design para apresentar o projeto IMPLICARTE, o que ele realmente implica e o que é que nós fazemos de tão importante no nosso instituto”, esclarece Simão Neto, aluno do terceiro ano do curso de Arte e Design.
Para o estudante do IPB, esta mostra artística é tão importante pois permite a si e aos seus colegas apresentarem os trabalhos que desenvolvem durante todo o ano à comunidade e aos seus pares, recebendo, assim, um input preciso sobre tudo o que fizeram, o que lhes vai permitir, de certa forma, crescer, corrigir e evoluir, não só como estudantes, mas também como pessoas e, sobretudo, enquanto artistas. “Isto é quase como uma rampa de lançamento para o nosso mundo profissional e esta parte de podermos mostrar à sociedade o que é que nós fazemos ao longo do ano é o mais importante para realmente demonstrar o trabalho que há aqui, o afinco, os projetos e a essência daquilo que nós somos”, concluiu Simão Neto, finalista do curso de Arte e Design.

Publicado por: “Diário de Trás-os-Montes”

Docentes do IBP esperam a criação de uma Escola Superior de Artes em Bragança

Docentes dos departamentos ligados a áreas artísticas no Instituto Politécnico de Bragança recordaram o anseio de criação de uma Escola Superior de Artes em Bragança.
João Gomes, responsável do departamento de expressão dramática na Escola Superior de Educação, considera que há uma expectativa natural de maior autonomia destas áreas científicas.
“É uma expectativa natural de um conjunto de departamentos que se foram cimentando ao longo dos anos que têm um trabalho produzido ao nível da formação e de uma série de intervenções que foram feitas de relação com as instituições e que foram cimentando a nossa acção. Foi valorizada em termos da qualificação do pessoal docente e a expectativa natural deste domínio científico é que mais tarde ou mais cedo poderá vir ganhar autonomia”, refutou João Gomes.
Para a coordenadora do departamento de Artes Visuais da Escola Superior de Educação de Bragança, Jacinta Costa, o crescimento da procura dos cursos por parte dos alunos também justificaria esta opção:
“Se alguém perguntar qual seria o meu sonho, presentemente o meu sonho é ter uma escola de arte, design, multimédia no centro da cidade que consiga ser um motor e que impulsione de alguma maneira este desenvolvimento territorial. Os cursos estão a crescer e cada vez mais temos alunos a vir ter connosco para tirar esta formação superior “ confessou Jacinta Costa.
O tema já não é novo, mas volta a ser levantado por parte dos docentes dos departamentos de artes do IPB, que sonham com uma escola de artes e uma maior autonomia deste ramo de ensino no Politécnico.

Publicado por: “Rádio Brigantia”