Nova empresa de limpeza do IPB entra a despedir funcionárias

Sete funcionárias do serviço de limpeza no Instituto Politécnico de Bragança (IPB) foram despedidas. Trabalhavam para a empresa Iberlim, agora substituída pela Byeva, que ganhou o concurso para a limpeza da instituição. “Estou preocupada com esta situação” confessou Maria Martins, uma das sete trabalhadoras despedidas. A ex-trabalhadora, com
29 anos de trabalho nesta empresa, foi informada por carta registada do despedimento por extinção do posto de trabalho, terminando funções a 6 de Junho, depois de a empresa negociar com a trabalhadora para retirar uma hora do seu tempo de trabalho. Maria Martins não aceitou, tal como a sua colega Maria Olímpia. E garantem que “o posto de trabalho não foi extinto, há já pessoas contratadas”. “O meu horário era de 4 horas, mas a empresa queria que tivesse um horário reduzido de 3 horas. A indeminização, segundo a ACT, “que tenho direito é de 7 mil euros e eles querem fazer um pagamento de 300 euros”. O Jornal Nordeste contactou a empresa Byeva e um interlocutor afirmou que este processo está a correr dentro da normalidade, porque a empresa não conseguia manter no quadro tantos recursos. Contou também que em plenário, as trabalhadoras foram abordadas para a redução do horário de trabalho, o que não foi aceite.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Dia Aberto ao Conhecimento divulga valências da indústria 4.0

Utilidade do Centro de Investigação em Digitalização e Robótica Inteligente do IPB foi mostrada aos empresários.
Abrangendo produtos, sistemas logísticos e redes, a Indústria 4.0 é a inovação nos smart system (soluções inteligentes para melhorar rotinas e criar maior eficiência e productividade nas empresas). Nesta perspectiva, sabe como é que se trata o grande volume de informação associado às tecnologias 4.0? Foi esta uma das principais
inovações na área da automação, controlo e tecnologia da informação, que foi dada a conhecer no Dia Aberto ao Conhecimento, em Bragança.
“Temos um ‘know how’ suficiente” para ajudar os empresários “a desenvolver estas tecnologias nas suas empresas”, afirmou o presidente eleito do IPB, Orlando Rodrigues. Foi a apresentação de valências que impulsionou esta mostra. As cinco bancadas tecnológicas instaladas no Brigantia Ecopark no âmbito da iniciativa promovida pelo politécnico
da cidade e pelo Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, tiveram como objectivo dar a conhecer às empresas as potencialidades e oportunidades inerentes ao recém-criado Centro de Investigação em Digitalização e Robótica Inteligente do Instituto Politécnico de Bragança. “As tecnologias 4.0 têm um elevado potencial de melhorar a
competitividade das empresas. Queremos mostrar aos empresários que estas tecnologias existem”, explicou Orlando Rodrigues. O Dia Aberto ao Conhecimento contou com a presença da secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino
Superior. Maria Fernanda Rollo visitou o Fab Lab do politécnico e, impressionada com o que viu, afirmou que
a instituição “tem uma relação muito pioneira e dinâmica no desenvolvimento de muitas áreas” e que “tem uma formação muito competitiva num relacionamento “extremamente rico” que “mantém com o impulso na área da investigação e do desenvolvimento”. Lamentando a baixa transição de alunos do profissional para o superior, Maria Fernanda Rollo avançou ainda como meta que, pelo menos, 40% dos alunos das escolas profissionais de vem ingressar no ensino superior. A secretária de Estado afirmou que há uma necessidade de sensibilizar os jovens para a “necessidade
da formação e para a aquisição de competências para o mundo do trabalho”, sendo que, nos próximos anos, 60% dos jovens portugueses deveriam frequentar as universidades e politécnicos, pois somente “um em cada três jovens, na casa dos 20 anos, estão a fazer formação superior”. Apresentada por Maria Fernanda Rollo, a iniciativa encerrou com a apresentação da campanha “Não Desistas de Ti”, inserida no programa “Estudar mais é preciso” do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Embaixador da Guiné-Bissau em Portugal quer mais alunos guineenses no IPB

O embaixador da Guiné-Bissau em Portugal, Hélder Vaz, pretende levar para aquele país o modelo de FabLab, Laboratório de fabricação digital.
O representante de Guiné-bissau visitou a semana passada a comunidade de 23 alunos guineenses que estudam no Instinto Politécnico de Bragança. O objectivo principal é desencadear acções de cooperação económica.
“Estou com este sonho que vou transmitir às nossas autoridades, o apoio do IPB poderia ser fundamental para criar o Fab Lab, mas em outros aspectos junto do município de Bragança procuraremos no futuro encontrar interesses comuns, em que todos tenham a ganhar para que possamos desenvolver acções de cooperação económica”, referiu
Outro objectivo é captar mais alunos para Bragança.
A visita terminou com um encontro e jantar com os alunos oriundos da Guiné-Bissau a estudar no Politécnico de Bragança.

Publicado por: “Brigantia”

Governante destaca respostas e ligação ao território do politécnico de Bragança

A secretária de Estado do Ensino Superior, Fernanda Rollo, destacou hoje a capacidade do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) de dar respostas na formação de recursos humanos e a ligação ao território do trabalho que desenvolve.
A governante, que tutela a Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, visitou hoje, acompanhada de estudantes de escolas profissionais de Bragança, laboratórios e projetos em curso no instituto que considerou “uma das instituições na área do ensino superior de referência” em Portugal.
Fernanda Rollo quis mostrar aos jovens as oportunidades e ofertas existentes para continuarem o percurso académico e alcançar a meta definida pelo Governo de ter 60% dos jovens portugueses no Ensino Superior.
A secretária de Estado apontou que o IPB “tem uma relação, não só muito pioneira e muito dinâmica no desenvolvimento de muitas áreas”, como “está ainda por cima muito ligado ao território”.
“O politécnico tem essa capacidade de dar resposta para novas necessidades sob o ponto de vista formativo e acompanhando a investigação que é necessária também para esse tecido produtivo. Não só acompanhando como antecipando”, afirmou.
A capacidade de atrair estudantes “de países muito diversos” resulta para a governante de a formação desta instituição transmontana ser “reconhecida também internacionalmente”.
A secretária de Estado pode observar o que está a ser feito ao nível da investigação, por exemplo, no Centro de Investigação em Digitalização e Robótica Inteligente (CeDRI), o mais recente criado pelo politécnico de Bragança.
O presidente eleito, Orlando Rodrigues, explicou que a sessão de hoje serviu para o novo centro de investigação se dar a conhecer às empresas da região, com as quais se propõe trabalhar.
A principal tarefa dos investigadores será demonstrar que as tecnologias mais avançadas “podem ser usadas e adaptáveis pelas pequenas e médias empresas e não apenas pelas grandes”.
“O nosso grande objetivo é mostrar aos empresários que podem aplicar estas tecnologias à medida das suas empresas e não simplesmente comprando uma receita que não é propriamente ajustada à sua empresa”, concretizou.
Com este, o politécnico soma quatros centros de investigação, o mais conhecido e antigo dos quais é o CIMO, dedicado à Montanha e com maior ligação á realidade da região.
Além do mais recente dedicado à Digitalização e Robótica, estão a funcionar mais dois, um ligado ao desporto e outra na área da gestão.

Publicado por: “Diário de Notícias”

Alunos do IPB promovem um evento artístico

A Tend’Armada é um evento artístico organizado pelos alunos do terceiro ano da licenciatura de Animação e Produção Artística do Instituto Politécnico de Bragança.
A iniciativa conta com três dias e em cada um deles dá-se destaque a cada uma das vertentes do curso: às artes plásticas, ao teatro e expressão dramática e também à música. Sara Canteiro, da organização, diz que o evento pretende solidificar as artes através de diversas iniciativas associadas: “principalmente queremos fundamentar e solidificar a vertente artística com workshops, palestras, workshops de dança e à noite apresentamos um programa lúdico”.
Além dos alunos do curso que organizam a iniciativa, a Tend’ Armada tem atraído cada vez mais a atenção de estudantes de outras áreas do politécnico, prova disso são Marlene Morais e Daniela Mota de outros cursos têm estado a colaborar com a iniciativa: “é uma oportunidade para o pessoal do curso promover este evento” contou Marlene Morais.
A Tend’Armada instalou-se no Hangar da Escola Agrária e termina hoje.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Mais informação em: “Jornal Nordeste”

IPB eleito melhor politécnico nacional pelo quinto ano consecutivo

Pelo quinto ano consecutivo, o Instituto Politécnico de Bragança foi considerado o melhor politécnico em Portugal, tendo obtido, ainda, a 7ª posição entre todas as universidades e politécnicos nacionais.
A quinta edição do ranking internacional U-Multirank volta a considerar o Instituto Politécnico de Bragança (IPB) como o melhor instituto politécnico em Portugal.
De sublinhar que o IPB ocupa, desde o início do ranking U-Multirank e pelo quinto ano consecutivo, a primeira posição entre todos os institutos politécnicos em Portugal, tendo obtido, em 2018, a sétima posição entre todas as universidades e politécnicos nacionais.
As pontuações máximas obtidas são o resultado da experiência acumulada e comprovada do IPB, nomeadamente, no impacto e excelência da sua produção científica e investigação aplicada, na mobilidade internacional de estudantes e no envolvimento com a sua região.
Em particular, o IPB ocupa a 5ª posição nacional no sub-ranking de investigação “readymade ranking in research and research linkages”, através da obtenção da classificação máxima “A” nos indicadores “Citation rate”, que mede o número médio de citações às publicações científicas da instituição, “Top cited publications”, que mede a proporção das publicações científicas da instituição no grupo das 10 por cento de publicações mais citadas em cada área em todo mundo, e “International joint publications”, que mede a proporção das publicações científicas da instituição com pelo menos outro autor de uma instituição de um país diferente.
Já no sub-ranking de orientação internacional “readymade ranking in international orientation”, o IPB ocupa a 4ª posição nacional, acrescentando a classificação máxima “A” no indicador “Student mobility”, que mede a dimensão dos estudantes enviados e recebidos em mobilidade e dos estudantes em programas internacionais conjuntos.
De frisar, ainda, que o U-Multirank é um ranking multidimensional promovido e financiado pela União Europeia, tendo a edição de 2018 avaliado mais de 1600 instituições de ensino superior de 94 países espalhados pelos quatro cantos do mundo.

Publicado por: “Diário de Trás-os-Montes”

Mais informações em: “Mensageiro de Bragança” e “Brigantia”

Festival Brasil celebrou os alunos e a cultura brasileira

Durante três dias, entre Sexta-Feira e Domingo, a Praça Cavaleiro Ferreira, em Bragança, pintou-se de verde e amarelo. O motivo foi simples: celebrar a cultura brasileira através do Festival Brasil, uma iniciativa promovida
pela Associação de Estudantes Brasileiros do Instituto Politécnico de Bragança. Além das dezenas de estudantes
e de alguns brigantinos, ao primeiro dia desta festa também se juntou o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca. Vindo das terras de Vera-Cruz, o aluno da instituição, Cristiano Sabatke, diz que “isto é extremamente necessário porque há cada vez mais alunos brasileiros no IPB” e que ver a sua cultura celebrada no país que escolheu para estudar “é muito bom”. Aluno da academia há já dois anos e meio, o brasileiro Ivan Costa Pinto refere que “tanto a cultura brasileira como as outras que o IPB acolhe merecem ser conhecidas e mostradas à comunidade”.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

IPBike: 59 pessoas já se renderam à bicicleta eléctrica

O projecto tem 100 bicicletas eléctricas ao dispor da comunidade académica do Instituto Politécnico de Bragança
4675 quilómetros percorridos, 105 mil 188 calorias e uma poupança de mais 38 mil quilogramas CO2 equivalente, são estes os resultados dos primeiros três meses do projecto IPBike. Com 100 bicicletas disponíveis no Instituto Politécnico de Bragança, o projecto, promovido pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes, insere-se numa iniciativa a nível nacional, o programa U-Bike Portugal. Para usufruir de uma IPBike, os utilizadores pagam uma caução de 40 euros e têm ainda um custo mensal de 10 euros associado à manutenção do equipamento. Neste momento, a instituição está a fazer um desconto de 50% para os novos aderentes ao projecto. Desde o começo do projecto,
entre o campus do IPB e o Brigantia Ecopark, já foram colocados 33 novos postos para amarração de bicicletas e estão previstos mais nove, tanto em Bragança como Mirandela. Por parte da instituição confirma-se que há cada vez mais pessoas interessadas no uso das bicicletas e que no campus se têm visto cada vez mais gente a pedalar. O IPBike foi apresentado publicamente em Dezembro de 2017 e o IPB foi a primeira das 15 instituições inicialmente envolvidas no projecto a dar vida à ideia. Num investimento global de seis milhões de euros, foram entregues um total de duas mil
elétricas e mil convencionais a estas instituições académicas. Com o compromisso de deixarem o veículo motorizado em casa, tanto estudantes como funcionários e colaboradores do IPB podem alugar uma IPBike, por um período de seis meses a um ano.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Novo projecto do IPB põe noventa alunos a apresentar soluções inovadoras para empresas

InnoEvent possibilita aos alunos estabelecer contacto com o mercado de trabalho e é através do IPB que chega pela primeira vez a Portugal
Noventa alunos do Instituto Politécnico de Bragança, estão desde ontem e até Sexta-Feira, a dar corpo ao novo
projecto da instituição académica. Pautando-se pela inovação e autonomia, o InnoEvent visa pôr estes jovens e as
empresas em interacção. Esta é uma iniciativa em que, durante uma semana, as 12 empresas convidadas põem estes alunos a desenvolver e apresentar ideias inovadoras para problemas reais. A trabalhar em grupos de cinco alunos, para 14 desafios lançados, as equipas são compostas por jovens das várias áreas do politécnico para que haja uma “abordagem mais ampla na resolução destes desafios e para que os alunos possam sair da ‘caixa”, explicou a líder da equipa, Samara Cristina. “Qualquer empresa tem sempre algo que quer e pode melhorar. A empresa propõe um problema para resolver numa semana e os alunos têm que puxar pelo seu lado criativo e resolver esse desafio ou estabelecer um conjunto de soluções que possa ser utilizado por essa empresa”, disse ainda a coordenadora do sector de comunicação do InnoEvent, Ilda Cádis. Das dez empresas que estão a participar na primeira edição do InnoEvent em Portugal, cinco são da cidade de Bragança. “Isto ajuda a ensinar os alunos e a estarem em contacto com o mercado de trabalho de uma forma dinâmica”, explica o responsável pela interface com as empresas, Manuel Moreira. O InnoEvent foi criado em 2010, em Odense, na Dinamarca e foi projectado para funcionar como uma plataforma benéfica, tanto para empresas como alunos, no que diz respeito ao desenvolvimento de conceitos inovadores. Em 2013, o projecto chegou à Finlândia e agora, pela primeira vez, a Portugal. “Esta ponte que é criada entre o instituto e as empresas, se não fosse o evento, provavelmente não seria conseguida e irá potenciar as capacidades dos alunos e as capacidades do instituto em receber as empresas para, quem sabe, num futuro próximo se estabelecerem parcerias ou bolsas de emprego”, disse ainda
Manuel Moreira. A actividade está a desenrolar-se no Brigantia Ecopark e os alunos contam ainda com a colaboração de coaches e representantes das empresas para orientar os projectos de inovação, sendo que três vieram propositadamente da Finlândia. A 8 de Junho, no último dia do evento, as equipas de estudantes vão ainda reunir-se numa gala, no Castelo de Bragança, para dar a conhecer as soluções que desenvolveram para resolver os problemas das empresas.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

O presidente da República de Cabo Verde visitou Bragança e considera a ligação entre os países frutífera

O presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca esteve em Bragança, neste último fim de semana em visita ao Instituto Politécnico de Bragança e à comunidade de 700 alunos que estuda nesta instituição de ensino superior.
Jorge Carlos Fonseca considera a ligação entre os dois países proveitosa: “é uma ligação benéfica mas queremos que ainda seja mais. Desde logo porque temos 700 jovens que se encontram a adquirir uma capacitação científica, técnica e profissional. Esta ligação pode ser muito frutífera para um país como Cabo Verde”.
O IPB tem sido a escolha destes alunos perante conjunto de critérios como os custos baixos de rendas da habitação e a alimentação, factores preponderantes na escolha dos alunos: “a primeira escolha está do lado dos alunos e das famílias, mas se a indicação de uma instituição de qualidade e que forma os nossos alunos em áreas importantes para o nosso país é sempre vista como uma mais-valia”.
Rosana Cardoso, é natural da ilha do Fogo, está em Bragança desde 2014. A aluna de doutoramento foi considerada como uma das melhores alunas no seu trabalho de investigação, no CIMO, mas confessa que pretende voltar ao seu país: “aqui utilizamos os cogumelos para extrair a vitamina B2 para encorpar nas farinhas. Confessa que a experiência em Bragança tem sido boa, no entanto pensa em regressar a Cabo Verde”.
Jorge Carlos Fonseca esteve em Bragança na sexta-feira e no sábado, onde participou numa visita guiada ao IPB, junto da comunidade cabo verdiana, africana e também visitou a comunidade brasileira no Festival Brasil que teve lugar na Praça Cavaleiro de Ferreira.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Mais informação em: “Jornal Nordeste”