Os quatro cantos do mundo fizeram a festa durante uma semana em Bragança

Vários workshops, apresentações musicais, gastronómicas, danças ou apenas momentos de confraternização foram os ingredientes que confeccionaram a receita do sucesso que foi semana de Erasmus e o Encontro de Mobilidade Internacional, no Instituto Politécnico de Bragança (IPB)
Há 13 anos que o IPB promove a semana Erasmus e, pelo segundo ano, é organizado o Encontro de Mobilidade Internacional. Os dois encontros, realizados em simultâneo, serviram para consolidar a rede de cooperação internacional, juntando instituições de todo mundo e a liderança do IPB em projectos de dupla diplomação e investigação conjunta. Este ano estiveram envolvidos mais de 150 professores
e colaboradores de várias instituições, que chegam de 27 países de todo o mundo.
Luís Pais, vice-presidente para a área internacional, refere que “todas as iniciativas são pensadas com o intuito de integrar os alunos estrangeiros deste campus académico.” Os estudantes ficaram satisfeitos com esta atenção lhes é dedicada e sublinham que se sentem integrados no IPB e na cidade. Oana é ucraniana, tem 21 anos, está de Erasmus em gestão e fazer vida Portugal é uma possibilidade
que a jovem não descarta. “Gosto muito de Portugal que e de estudar no IPB. Está a ser uma boa experiência. Ficar a trabalhar em Portugal no final do curso é uma possibilidade”, referiu a estudante. Sky e Nuno são cabo-verdianos, estudam mestrado em contabilidade financeira e concorreram através de um programa especial de mobilidade que oferece aos alunos estrangeiros a possibilidade de tirar os cursos integralmente no IPB, sem a limitação temporária do Erasmus. Os dois estudantes salientam o espirito académico da cidade e referem que na atitude dos estudantes portugueses “toda a gente é tratada por igual, não se fazem distinções e é muito bom viver aqui.”
Sobrinho Teixeira, presidente do Politécnico, diz que esta é uma forma de “promover a interacção entre as várias culturas e que é um dos
pontos que faz com que o IPB integre o Top 3 das melhores instituições de ensino superior do país.” Durante toda a semana houve ainda espaço para uma feira internacional, onde os alunos fizeram uma mostra das suas tradições e culturas e, na cantina, o menu foi variado, com propostas de pratos típicos, para que todos pudessem provar um pouco de países como a Ucrânia, Marrocos, Brasil, Rússia, México,
Tunísia e outros. A semana culminou com a corrida IPB for All, que convidou toda a comunidade para se juntar a esta iniciativa, pensada para promover a integração e promoção da igualdade de culturas.

Publicado por: “Jornal Nordeste”

Solo abateu e abriu cratera em escola superior de Bragança

Os Bombeiros Voluntários de Bragança procederam, esta segunda-feira, à remoção da água de um buraco com cerca de 13 metros que se formou no recinto da Escola Superior de Educação, na madrugada de sábado.

Segundo apurou o JN no local, a cratera foi causada pela existência de um poço de água que levou ao abatimento de uma parte do solo, perto de uma escada de acesso ao edifício do campus universitário.
Os bombeiros foram chamados ao local esta segunda-feira depois de ter sido localizado um casaco a boiar na água que se acumulou no buraco.
“A operação realizada pelos bombeiros teve como objetivo confirmar que não há danos pessoais. A água teria de ser retirada para começarmos a pensar nas soluções para resolver este episódio”, explicou o diretor da Escola Superior de Educação (ESE), Ribeiro Alves.
Ainda segundo o responsável, tudo indica que a presença do casaco no local se trata de “uma partida de mau gosto”, visto que também algumas das guardas que delimitavam a zona foram encontradas dentro da cratera.
A estrutura do edifício da escola não foi afetada. “Àquela hora, não havia gente por aqui, nem viaturas estacionadas no parque. Felizmente não aconteceu no horário de funcionamento da escola. Na altura não havia grande movimento”, explicou.
O local está delimitado e com acesso interdito com fitas e barreiras. A escola está a funcionar com toda a normalidade. Tudo indica que o solo abateu devido à existência de um poço de água naquela zona. “É preciso fazer uma avaliação mais rigorosa para encontrar as causas”, sublinhou Ribeiro Alves.

Publicado por: “Jornal de Notícias”

Dia Nacional da Agricultura em Bragança

Hoje assinala-se o Dia Nacional da Agricultura e no nordeste transmontano e o Instituto Politécnico de Bragança convidou toda a comunidade brigantina a participar nas comemorações, associadas também ao dia internacional do fascínio das plantas, que se assinalou ontem.
Alunos e professores do instituto organizaram atividades que animaram a praça da Sé e o parque do eixo-atlântico com momentos musicais e exercício físico. Houve também provas de frutas e oferta de plantas, produzidas nas estufas do politécnico.
Despertar a consciência de miúdos e graúdos, sobre “a importância que as plantas para alimentação por exemplo, com a criação de hortas biológicas e também criar nas pessoas uma consciência ambiental é o que se pretende com estas ações”, destaca uma das responsáveis a professora do IPB, Anabela Martins.
Hoje esteve também em destaque a importância do setor agrícola para a economia regional, que durante alguns anos registou uma quebra, e está de novo a ganhar força.
“ Penso que há cada vez mais jovens sensíveis para o facto de a agricultura também já não ser o que era antigamente. A agricultura agora está na moda, é «cool», é inovação e tecnologia e portanto todas aquelas ferramentas que os jovens usam no dia a dia como os telemóveis, os computadores, os tablets são usados na agricultura de hoje em dia. Os jovens perceberam que a agricultura tem futuro do ponto de vista económico”, salienta Anabela Martins.
Muitas escolas, infantários, IPSS, lares da terceira idade e alguns curiosos aderiram a esta ação onde até o sol apareceu para animar a manhã.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

IPB organiza actividades para integrar os alunos estrangeiros na comunidade

Workshops e apresentações musicais, gastronómicas, culturais ou simples momentos de convívio são os ingredientes que fazem a Semana de Erasmus e o Encontro de Mobilidade Internacional, no Instituto Politécnico de Bragança.
Há 13 anos que o IPB promove uma semana, dedicada aos estudantes estrangeiros deste campus académico. Luís Pais, vice-presidente para a área internacional, refere que todas as iniciativas “são pensadas com o intuito de integrar os alunos que chegam de 27 países de todo o mundo.”
Os estudantes felizes com esta atenção que lhes é dedicada mas dizem que se sentem integrados no IPB e na cidade. Oana é ucraniana, tem 21 anos, está de Erasmus em gestão e ficar em Portugal é uma possibilidade “gosto muito de Portugal e de estudar no IPB está a ser uma boa experiência, ficar a trabalhar em Portugal no final do curso é uma possibilidade.”
Quanto aos alunos cabo verdianos Sky e Nuno, estudam mestrado em contabilidade financeira e concorreram através de um programa especial de mobilidade que oferece aos alunos estrangeiros a possibilidade de tirar os cursos integralmente.
Sobrinho Teixeira, presidente do politécnico, diz que esta é “uma forma de promover a interacção entre as várias culturas e que é um dos pontos que faz com que o IPB integre o Top 3 das melhores instituições de ensino superior do país.”
A semana culminou com a corrida IPB for All, que convida todos os que se queiram juntar a esta iniciativa para a integração e promoção da igualdade de culturas.
Durante estes dias houve ainda espaço para uma feira internacional e durante toda a semana na cantina o menu foi variado com propostas e prato típicos, para que todos pudessem provar um pouco de países como a Ucrânia, Marrocos, Brasil, Rússia, México, Tunísia e outros.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Instituto Politécnico de Bragança realiza 13ª edição da Semana Erasmus e 2º Encontro ICM

13ª edição da Semana Erasmus do Instituto Politécnico de Bragança e o 2º Encontro ICM (mobilidade internacional com instituições parceiras extracomunitárias) decorrerá simultaneamente entre 15 e 19 de maio no Instituto Politécnico de Bragança, envolvendo a participação de mais de 150 professores e colaboradores de Instituições de Ensino Superior (IES) de 27 países: Alemanha, Argélia, Arménia, Áustria, Bielorrússia, Brasil, Bulgária, Cazaquistão, Croácia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, França, Hungria, Itália, Letónia, Lituânia, Marrocos, Polónia, República Checa, Reino Unido, Roménia, Rússia, Suécia, Tunísia e Turquia.
Um verdadeiro envolvimento internacional cuja agenda incluirá a realização de seminários e a realização de diversos workshops que juntarão estudantes, professores, investigadores e colaboradores do IPB e das IES parceiras para troca de experiências nos mais variados domínios de intervenção.
Os dois encontros, realizados em simultâneo, consolidam a rede de cooperação internacional, juntando instituições de todo mundo, e a liderança do IPB em projetos de dupla diplomação e investigação conjunta.
Além dos seminários e workshops específicos, destacam-se ainda desta realização a “Feira Internacional de Estudantes”, a “Corrida IPB for All” e a “Semana Gastronómica (Food from All)”.

Publicado em: “Notícias do Nordeste”

Semana de tecnologia e gestão do IPB discute valorização do Parque Natural de Montesinho


“Rumos de Mudança- Um olhar sobre a montanha” foi o tema que deu mote às discussões que, durante três dias, encheram o auditório Alcínio Miguel, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão.
Terminou na passada quinta-feira mais uma Sema­na da Tecnologia e Gestão, no Instituto Politécnico de Bra­gança.
A capacidade de integra­ção e adaptação à realidade do mercado de trabalho foi o mote para a discussão. No primeiro dia, no debate, vá­rios estudantes e ex-alunos da Escola Superior de Tecno­logia e Gestão (ESTIG) de­ram os seus testemunhos so­bre a entrada no mundo do trabalho e especialistas em recrutamento falaram das exigências do mercado.
Milton Morais exerce ac­tualmente funções como en­genheiro no metro de Co­penhaga, na Dinamarca. Destacou que as suas compe­tências sociais foram essen­ciais para conseguir o seu ac­tual trabalho. “Eu sempre ti­ve o sonho de trabalhar lá fo­ra. Quando deixei Portugal em 2012 eu era director de zona e tinha 6 engenheiros a trabalhar para mim, mas fui desafiado e retrocedi na car­reira, aceitei o desafio e ago­ra sinto-me perfeitamente sa­tisfeito com o que fiz lá fora, sou responsável por um poço, não é uma estação do metro, é uma passagem é um po­ço que custa entre três a cin­co milhões de euros por mês, faço a gestão de uma empre­sa que manobra cerca de 60 milhões de euros por ano”, acrescentou o engenheiro so­bre a experiência no estran­geiro.
Sobre o recrutamento e o facto de um mercado satu­rado de licenciados nas mais diversas áreas, os jovens fo­ram elucidados sobre o que é importante saberem do que as empresas procuram nos candidatos que se conseguem distinguir dos outros.
Andreia Pereira trabalha na empresa de recrutamen­to Michael Page, no Porto, e reitera a ideia de que relati­vamente a jovens recém-for­mados as empresas mais do que as competências técnicas, procuram competências ao nível social, como a capaci­dade de gestão e adaptação às mais diversas situações e pes­soas. “É importante que os candidatos mostrem vonta­de, logo no primeiro encon­tro com a empresa e com o recrutador, isto consegue-se estudando muito bem a em­presa para a qual estamos a concorrer, consegue-se mos­trando motivação e vontade de trabalhar ali. Quando es­tamos em entrevista não ava­liamos só as competências técnicas, porque essas, quan­do estamos a falar de um re­cém-licenciado partimos do princípio que à partida são semelhantes para todos, mui­to mais do que isso olhamos para outro tipo de compe­tências muito mais compor­tamentais, como a vontade, a motivação, a capacidade de adaptação, que é fundamen­tal e a forma de interagir com os outros é cada vez mais va­lorizada”, explicou.
João Paulo Almeida, pro­fessor no IPB e presidente da comissão organizadora da Semana de Tecnologia e Ges­tão, diz que estes temas fo­ram escolhidos para uma re­flexão interna, na sequência dos temas da digitalização da economia e da indústria que estão na agenda do governo e principalmente da criação do projecto-piloto do labora­tório colaborativos do parque de Montesinho, liderado pe­lo IPB: “É um tomar de cons­ciência que os desafios são exigentes e que estamos pre­parados para perceber, que estamos preparados para as­sumir, a liderança nos pro­jectos colaborativos de mon­tanha e aproveitar para nos afirmarmos na Europa, uma vez que estamos na linha da frente neste tipo de investiga­ção”, reiterou.
O docente sublinha a im­portância dos alunos e das suas participações nestas jor­nadas e do seu papel na con­cretização de projectos fu­turos: “os alunos são o nos­so maior capital, o nosso ob­jectivo é formar os alunos e transmitir a mensagem des­tes desafios é importante por­que serão o capital no futuro que nos vai ajudar a estar na linha da frente nestes projec­tos.”
Ainda no âmbito da se­mana de tecnologia e gestão foi promovido um concur­so que premiou várias ideias empreendedoras propostas pelos alunos.
Elícia Vieira, aluna da ES­TIG, ficou em segundo lugar com um projecto de chalés móveis voltado para a valori­zação turística do Parque Na­tural de Montesinho e pre­servação ambiental. “Passou-nos pela cabeça valorizar a região e tivemos a preocupação com o ambiente e sustentabilidade. Estes cha­lés móveis permitem aos visi­tantes deslocar-se pelas dife­rentes áreas do parque”, ex­plicou a jovem empreende­dora.
A ser concretizada es­ta ideia pretende valorizar a cultura local e a convivência directa entre os turistas e as pessoas das diferentes locali­dades.

Publicado em : “Jornal Nordeste”

Terminou com balanço positivo a Semana de Tecnologia e Gestão do IPB

Terminou mais uma Semana de Tecnologia e Gestão no Instituto Politécnico de Bragança.
“Rumos de Mudança- Um olhar sobre a montanha” foi o tema que deu mote às discussões que durante três dias encheram o auditório Alcínio Miguel, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão, com transmissão em directo na Rádio Brigantia.
João Paulo Almeida é professor no IPB e presidente da comissão organizadora da Semana de Tecnologia e Gestão e diz que estes temas foram escolhidos para uma reflexão interna, na sequência dos temas da digitalização da economia e da indústria que estão na agenda do governo e principalmente da criação do projecto-piloto do laboratório colaborativos do parque de montesinho, lideradas pelo IPB. “É um tomar de consciência que os desafios são exigentes e que estamos preparados para perceber que estamos preparados para assumir a liderança nos projectos colaborativos de montanha e aproveitar para nos afirmarmos na Europa uma vez que estamos na linha da frente neste tipo de investigação”, reitera.
João Paulo Almeida sublinha o papel dos alunos e das suas participações nestas jornadas e do seu papel na concretização de projectos futuros, “os alunos são o nosso maior capital, o nosso objectivo é formar os alunos e transmitir a mensagem destes desafios é importante porque serão o capital no futuro que nos vai ajudar a estar na linha da frente nestes projectos.”
Ainda no âmbito da semana de tecnologia e gestão foi promovido um concurso de ideias que premiou várias ideias empreendedoras propostas pelos alunos da Escola de Tecnologia e Gestão do IPB
Elícia Vieira, aluna da ESTIG, ficou em segundo lugar com um projecto de chalés móveis que pretende pensar na valorização do parque natural de montesinho e preservação ambiental
“Passou-nos pela cabeça valorizar a região, e tivemos a preocupação com o ambiente e sustentabilidades. Estes chalés móveis permitem aos visitantes deslocar pelas diferentes áreas do parque natural de montesinho”, explica a jovem empreendedora.
A ser concretizada esta ideia pretende valorizar a cultura local e a convivência directa entre os turistas e as pessoas das diferentes localidades.
A edição deste ano da Semana de Tecnologia e Gestão foi virada não só para a comunidade académica mas também para a comunidade no geral que aderiu em força aos fóruns de discussão pública.

Publicado por: “Rádio Brigantia”

Semana de Tecnologia e Gestão discute os desafios da quarta revolução industrial e da economia digital

A capacidade de integração e adaptação à realidade do mercado de trabalho foi o mote para a discussão no primeiro dia da semana de tecnologia e gestão do Instituto Politécnico de Bragança.
No debate, vários estudantes e ex-alunos da ESTIG deram os seus testemunhos sobre a entrada no mundo do trabalho e especialistas em recrutamento falaram das exigências do mercado.
Milton Morais exerce actualmente funções como engenheiro no metro de Copenhaga, na Dinamarca, e referiu que as suas competências sociais foram essenciais para conseguir o seu actual trabalho.
“Sempre tive o sonho de trabalhar lá fora. Fui desafiado e retrocedo na carreira e aceitei o desafio e agora sinto-me satisfeito com o que fiz lá fora”, explicou.
Andreia Pereira trabalha na empresa de recrutamento Michael Page, no Porto, e reitera a ideia de que relativamente a jovens recém-formados as empresas mais do que as competências técnicas, procuram competências ao nível social, como a capacidade de gestão e adaptação às mais diversas situações e pessoas.
“É mostrar a vontade já numa primeira conversa com a entidade patronal. Mostrando muita motivação, em entrevista não avaliamos só as competências técnicas, porque essas quando estamos a falar de um recém-licenciado parte-se do princípio que à partida são semelhantes para todos, olhamos para competências muito mais comportamentais como a vontade, motivação e capacidade de adaptação”, destacou.
A edição de 2017 da STG na escola de tecnologia e gestão tem como tema geral os desafios da quarta revolução industrial e da economia digital, com especial atenção à região.
O debate continua esta tarde acerca de Montesinho: horizonte de desafios e oportunidades. E amanhã discute-se a indústria 4.0 e os desafios emergentes.

Publicado por: Rádio Brigantia

Bispo convida finalistas do IPB a peregrinar para “abraçar a luz da vida”

Passar, tal como os discípulos, da (de)missão à missão foi o desafio lançado por D. José Cordeiro, bispo da diocese de Bragança-Miranda, aos jovens estudantes na missa de finalistas, que no sábado encheu a catedral de Bragança.
“O tema do caminho está sempre presente na evangelização. A fé dos discípulos nasce no caminho, que não é apenas geográfico, mas é espiritual e atravessa a desilusão, o desalento, as dúvidas, o vazio, a desconfiança da sua peregrinação na história. Os discípulos passaram da (de) missão à missão de evangelizar. Este continua a ser o grande desafio! Ensinar o Evangelho, significa apresentar sinais e chaves interpretativas para o viver. Ninguém o pode fazer se o não viver primeiro”, disse D. José Cordeiro, durante a homilia. O bispo lembrou que “peregrinar é abraçar a luz da vida”. “Gratidão e alegria na Esperança de quem conclui um curso superior para iniciar um caminho de serviço ao Bem Comum, à dignidade da pessoa uma e a ser construtor da paz com o saber, o profissionalismo e o desejo sempre maior de ser mais pessoa e melhor seguidor de Cristo. O sepulcro aberto proclama a alegria da presença viva e ressuscitada de Cristo e a Igreja pede-Lhe incessantemente:
«Fica connosco, Senhor», para que seja sempre Hoje.
A alegria do primeiro e fundamental anúncio é sempre o mesmo: “Realmente o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” E eles contaram o que lhes tinha acontecido pelo caminho e como Jesus se lhes dera a conhecer, ao partir o pão» (Lc 24, 34-35). O caminho conduz-nos ao encontro com Jesus Cristo e com os outros, com a comunidade cristã e com aqueles a quem somos enviados a testemunhar com a vida, a fé que acreditamos e celebramos”, explicou D. José Cordeiro.

Publicado por: Mensageiro